Vidraça

julho 2011 / Vidraça / Vidraça_julho_2011

Texto publicado na edição #135

Vidraça_julho_2011

  Merval imortal A Academia Brasileira de Letras elegeu, no início de junho, o sucessor de Moacyr Scliar. Ocupa agora […]

> Por LUÍS HENRIQUE PELLANDA

 

Merval Pereira

Merval imortal
A Academia Brasileira de Letras elegeu, no início de junho, o sucessor de Moacyr Scliar. Ocupa agora a cadeira 31 da instituição o jornalista Merval Pereira, colunista do jornal O Globo e comentarista das rádios Globo News e CBN. Pereira é autor de dois livros: O lulismo no poder e A segunda guerra, sucessão de Geisel. O novíssimo imortal concorreu contra apenas um outro candidato, o escritor baiano Antônio Torres, autor de Um cão uivando para a lua, Meu querido canibal, Essa terra, Os homens dos pés redondos, Carta ao bispo, Balada da infância perdida, Um táxi para Viena d’Áustria e O cachorro e o lobo, entre vários outros. O placar da votação foi de 25 contra 13. O presidente da ABL, Marcos Vilaça, declarou que, com a vitória de Merval Pereira, manteve-se a “tradição da presença de grandes jornalistas na Academia”, comparando o colega a Joaquim Nabuco.

E o Machadão?
A academia também divulgou recentemente o vencedor do Prêmio Machado de Assis 2011. Pelo conjunto da obra, quem levou os cem mil reais da premiação foi o historiador Carlos Guilherme Motta. Os ganhadores das outras categorias foram Salgado Maranhão, com A cor da palavra (poesia), Elvira Vigna, com Nada a dizer (ficção), Ronaldo de Melo Souza, com Ensaios de poética e hermenêutica (ensaios e crítica literária), Ferreira Gullar, com Zoologia bizarra (infanto-juvenil), Sérgio Flaksmann, com O amante de Lady Chatterley (tradução), Maurício Almeida de Abreu, com Geografia histórica do Rio de Janeiro (história e ciências sociais), e a dupla Esmir Filho e Ismael Canappele, pelo filme Os famosos e os duendes da morte (cinema).

Lísias ergue o caneco
Acabou a quarta edição da Copa de Literatura Brasileira, evento internético idealizado por Lucas Murtinho e organizado por ele, Luciana Thomé e Fernando Torres. O vencedor foi Ricardo Lísias, com O livro dos mandarins. A grande final aconteceu no dia 6 de junho, e o adversário de Lísias foi Bernardo Carvalho, com seu romance O filho da mãe. O placar passou longe de ser apertado: 13 a 2. Os vencedores das edições anteriores da Copa foram Assis Brasil, com Música perdida, Cristovão Tezza, com O filho eterno, e Carola Saavedra, com Flores azuis.

Gaúcho de fôlego
Ainda sobre pelejas literárias na internet: começa no dia 4 de julho o segundo Gauchão de Literatura. Formam a comissão organizadora do certame Ana Mello, Carlos André Moreira, Daniel Weller, Fernando Ramos, Luciana Thomé, Marcelo Spalding e Rodrigo Rosp. Com 48 romances e novelas inscritos — todos de autores gaúchos ou radicados no Rio Grande do Sul, e publicados nos anos de 2009 e 2010 —, o campeonato vai longe, com previsão de término apenas para a primeira quinzena de dezembro. A primeira edição do Gauchão — dedicada aos livros de contos lançados em 2009 e 2010 — foi vencida por Carol Bensimon, com o seu Pó de parede.

Revista Lama

Quatro revistas
Várias revistas literárias foram lançadas nas últimas semanas. A Coyote 22, editada em Londrina pelos poetas Rodrigo Garcia Lopes, Marcos Losnak e Ademir Assunção, traz textos de Italo Calvino, Verônica Stigger e Manuel Antonio, além de um dossiê sobre o poeta e letrista Geraldo Carneiro. A Arte e Letras M, editada em Curitiba pelo escritor Thiago Tizzot, reúne narrativas breves de autores como Flaubert, E. T. A. Hoffmann, Roberto de Sousa Causo, Tchekhov, Simone Magno e Sérgio Tavares, entre outros. A revista pulp Lama, também editada na capital paranaense, pelo escritor e ilustrador Fabiano Vianna, ataca com Dalton Trevisan, Valêncio Xavier, Índigo, Ana Paula Maia e vários outros. E a terceira edição dos Cadernos de Não-Ficção, publicação online da Não Editora (www.naoeditora.com.br), editada em Porto Alegre por Antônio Xerxenesky e Bruno Mattos, destaca trabalhos de Simone Campos, Kelvin Falcão Klein e Carlos Henrique Schroeder. Como adquirir as revistas: Coyote (www.iluminuras.com.br), Arte e Letra: Estórias (www.arteeletra.com.br) e Lama (www.revistalama.com.br).

Maia no Paiol
O projeto Paiol Literário recebe, no dia 5 de julho, às 20 horas, no Teatro Paiol, em Curitiba, a escritora carioca Ana Paula Maia, autora do romance Carvão animal. A entrada é franca, e a mediação será de Rogério Pereira. Ana Paula permanece em Curitiba no dia 6 de julho, quando, às 16 horas, participa do projeto Um Escritor na Biblioteca, no auditório da Biblioteca Pública do Paraná. A entrada também é gratuita.

 

Print Friendly