Ensaios e Resenhas

fevereiro 2017 / Ensaios e Resenhas / Sombras do exílio

Texto publicado na edição #202

Sombras do exílio

Em prosa enxuta e elegante, "Bazar Paraná" é bem-sucedido ao ampliar as reflexões sobre a temática do êxodo judaico

> Por MÁRCIA LÍGIA GUIDIN

Luis S. Krausz, autor de Bazar Paraná

Luis S. Krausz, autor de Bazar Paraná

Luiz S. Krausz ganhou em 2013 o prêmio Benvirá com Deserto, ótimo romance sobre a viagem de jovens brasileiros a Israel na década de 70 para “ajudar na colheita de frutas cítricas, aprender a língua e a história do país”. Em 2016, o romance Bazar Paraná recebeu um merecido Jabuti.

O autor tem investido em temas da cultura judaica, analisa sua dispersão pelo mundo, as vicissitudes e a condição existencial dos exilados. A diáspora do povo judeu-alemão no século 20 é de seu interesse acadêmico e ficcional. E dele faz parte também esta obra. (Torço para que tal temática se alargue no tempo e no enfoque narrativo do escritor e para que não se tranque em obsessão criadora).

Em prosa enxuta e elegante, o romance é bem-sucedido em ampliar as reflexões sobre a temática do êxodo. Pesquisador da cultura judaico-austríaca-alemã, é a partir dela que o autor investe na constituição de seus personagens (verídicos, segundo ele ), cuja memória se apoia em laços há muito perdidos com a pátria original — já que vivem há mais de quarenta anos em zona rural de outro país.

Os muitos anos que os separam da pátria bem como a morte de tantos conterrâneos deixam visíveis a geração e a família que desapareceram. Assim, têm de adaptar laços, valores e hábitos — neste clima quente e desconcertante — a despeito do esforço de todos na manutenção de reminiscências em língua-pátria.

Como narrador observador em primeira pessoa, o adolescente recorda uma viagem de férias com a irmã e a avó (também imigrante alemã e judia) para a casa de amigos na cidade de Rolândia (nome vem de Roland, herói alemão) no norte do Paraná — onde muitos imigrantes alemães se fixaram após a Primeira Guerra e, mais tarde, com a ascensão do nazismo nos anos 30). Terra desabitada, porém muito rica, é onde vive e progride o grupo de refugiados, judeus e não-judeus. Estes últimos trouxeram profissões universitárias e acadêmicas — o que amplia muito o orgulho da própria cultura e formação.

A imigração tem sido tema recorrente na ficção; aqui, no Brasil (por questões político-econômicas), as obras se voltam mais para a ida ao interior. Há alguns anos, um Jabuti foi concedido a Nihonjin, de Oscar Nakasato, magnífico romance sobre a imigração japonesa (também para o estado do Paraná). Em 2016, Bazar Paraná concorreu com vários romances, inclusive com o vencedor de livro do ano, A resistência, de Julián Fuks — romance que, por trás de outras questões, também marca a dolorosa exílio de uma família argentina para o Brasil.

O fio condutor de Bazar Paraná se fixa nos anfitriões principais, Fritz e Leni Hinrichsen, que levam os hóspedes da cidade para visitar várias outras casas e fazendas. Se o leitor estiver interessado em enredo vigoroso, pode ficar entediado com tanta gente, um corpo coletivo que para, conversa à mesa e pouco se desloca.

Mas o que interessa na obra é sentirmos, por entre tantas conversas e hábitos, como emerge a triste certeza de que a pátria alemã que esses alemães trouxeram consigo não existe mais. Foi devastada pelo tempo. “Então quem somos nós?”. “Então, quem fomos?” — é a pergunta muitas vezes calada pelo esforço das lembranças:

(…) Só rábanos. Rábanos cozidos, e às vezes os parentes que viviam no interior, na Hungria, mandavam pacotes com carne salgada, em conserva, e vidros com gordura de ganso. Isso era Der Krieg, a guerra. Depois veio a inflação e a temporada no Brasil, que deveria durar só uns anos até que as coisas melhorassem. Durou até o século seguinte. Minha avó morreu em São Paulo, aos 99 anos, em 2005. Isso era Die Aswanderung. 

A frase
A melancolia destes personagens parece alongar-se na peculiar construção da frase, com intercessões, muitas delas histórico-geográficas em longos períodos sem ponto final, que, ao contrário do que poderia, não faz ofegar nem engessa a narrativa. Dez, vinte linhas ou páginas inteiras apenas virguladas parecem ampliar a memória dos velhos, ajudada esteticamente pelo andamento do tempo e da distância.

Krausz também marca intensamente o estranhamento inicial dos imigrantes: como manter na lembrança, em meio à abundância desconcertante da terra e das novas cores, a lembrança da vida na Europa, cheia de comedimento, economias e tantos sacrifícios? Quando os conheceu, o narrador pôs-se diante de personagens idosos, diante dos quais se reforça a diluição de suas vidas, em possíveis inquietações que antecedem a morte. Nesta terra estrangeira (nossa terra?) serão sepultados, e seus herdeiros, que para sempre são brasileiros. A máxima alemã do sangue e solo orgulho perdeu a referência.

Herança ancestral
Vivendo em São Paulo com certa prosperidade, o jovem curioso registra na memória as estradas e tantos personagens. Depois, porém, quando a obra é concebida, o garoto (que não existe mais) é também personagem do narrador — que quer transfigurar em literatura o que o menino vira. Ou seja, como texto memorialista, tudo o que o narrador cria está contaminado pela visão crítica do adulto. Este analisa — pois deseja compreender — o mundo que ele mesmo não viveu, a Europa onde não nasceu e os valores que lhe são oferecidos como história. É esse o mecanismo dialético do romance. O narrador biografa de certa forma sua própria herança ancestral, mantendo por escrito o registro de parte importante da juventude.

A esse propósito, entretanto, vale registrar o mal-estar do leitor com uma desnecessária (autoritária?) nota introdutória, que pouco ajuda e dirige mal o leitor:

Embora os personagens deste livro tenham nome idêntico ao de pessoas que realmente viveram, em São Paulo, no Paraná e em outras localidades, algumas das quais tive o privilégio de conhecer pessoalmente, e que tenho, em minha memória, em grande estima, as histórias aqui representadas são inteiramente fictícias, assim como a maior parte das características atribuídas pelo narrador a essas pessoas.

A necessidade ideológico-biográfica-intelectual de Krausz quis justificar numa miscelânea teórica — a que dá o nome equivocado de autoficção e heteroficção — sua fórmula de apropriação do exercício autobiográfico.

Este é um livro de ficção e de autoficção, e como tal deve ser tomado e compreendido por todos os leitores.

(…) nomes… transpostos para o contexto de uma obra de imaginação, que assim se torna uma autoficcção tanto quanto uma heteroficção.

Não me parece adequado declarar este romance uma autoficção. Como se sabe, o termo cunhado em 1977 por Doubrovsky e ainda controverso, tem sido aplicado mais livremente do que o recomendado. O que interessa, de fato, neste e noutros romances pós-modernos, não é saber se e onde termina o eu real e começa o fictício. É compreendermos por que a matéria biográfica tem saído tão insistentemente do “decalque” da vida para embaralhar seus limites estéticos.

A isto esta obra não responde. Nem deveria. Basta narrar. Entre a exatidão da autobiografia e o mundo rico e ambíguo do romance, à virtude do escritor compete apenas criar. Que a crítica se preocupe em nomear e explicar.

 

Luis_S_Krausz_Bazar_Paraná_202

 

Bazar Paraná
Luis S. Krausz
Benvirá
288 págs.

 

 

O AUTOR
Luis S. Krausz
Nasceu em São Paulo (SP), em 1961. Estudou Letras Clássicas e Hebraicas nas Universidades Columbia nos EUA e na Universidade de Zurique. Tem doutorado pela USP, onde é professor de literatura hebraica e judaica. Autor de Desterro: memórias em ruínas (2011), Deserto (2013, prêmio Benvirá) e Bazar Paraná (2015, Prêmio Jabuti, 2º colocado).

Print Friendly