Vidraça

julho 2018 / Vidraça / Prêmio Sesc

Texto publicado na edição #219

Prêmio Sesc

Notas sobre literatura e mercado editorial

> Por Jonatan Silva | Coluna

Vidraça_Tobias Carvalho_219

O Prêmio Sesc de Literatura anunciou os vencedores da edição 2018. Na categoria Romance, a ganhadora é Juliana Leite, com Magdalena usa as mãos. Tobias Carvalho levou o prêmio em Contos com As coisas. Os trabalhos, que foram selecionados entre 1.540 inscritos, sendo 720 livros de contos e 820 romances, serão publicados pela Record com tiragem de 2 mil exemplares. Os escritores Beatriz Resende, Flávio Carneiro, Letícia Wierzchowski e Daniel Galera foram os responsáveis pela escolha final. Os ganhadores da 15ª edição do Prêmio Sesc de Literatura estão confirmados na programação do Sesc Paraty durante a Flip 2018, entre 25 a 29 de julho.

Análise
A Civilização Brasileira publicou em junho Corpos em aliança e a política das ruas, o livro mais recente de Judith Butler — uma das principais pensadoras de nosso tempo. Tematizando questões como a Primavera Árabe, os protestos do parque Gezi, em Istambul, o Occupy Wall Street, as manifestações de junho de 2013 no Brasil, o livro é uma análise sincera das mudanças pelas quais o mundo está passando. “Algumas vezes um movimento é considerado antidemocrático, até mesmo terrorista, e, em outras ocasiões ou contextos, o mesmo movimento é entendido como um esforço popular para a concretização de uma democracia mais inclusiva e substantiva”, comenta a filósofa que no ano passado causou polêmica em sua visita ao Brasil.

Fantástico
Júlio Verne é considerado um dos pais da literatura de antecipação, espécie de gênero narrativo cujas histórias fantásticas — dos séculos 18 e 19 — adiantavam tecnologias e engenhocas que só surgiriam muitos anos mais tarde. Para celebrar esse gênio literário, que só recebeu o reconhecido merecido após sua morte, a Nova Fronteira publica o box Grandes obras de Julio Verve, com quase mil páginas. A caixa é formada por três clássicos de Verne: Vinte mil léguas submarinas, Volta ao mundo em 80 dias e A ilha misteriosa.

Fenômeno
Histórias de ninar para garotas rebeldes, de Elena Favilli e Francesca Cavallo, é um dos grandes sucessos editoriais dos últimos anos. Contando a vida de mulheres que fizeram a diferença, mas que não estão inseridas na “história oficial”, a obra foi transformada em podcast pelo site B9. Agora é a vez da versão masculina. No mercado internacional foi publicado há pouco Stories for boys who dare to be different (Histórias para meninos que ousam ser diferentes, em tradução livre) e já está causando furor. Para setembro está programada a chegada de The good guys: 50 heroes who changed the world with kindness (os bons meninos: 50 heróis que mudaram o mundo com gentileza).

Polêmica
As mudanças no Prêmio Jabuti, que reduziu as categorias de 29 para 18, ainda estão causando polêmica. O agora ex-curador da premiação, Luiz Armando Bagolin, discutiu nas redes sociais com o autor e ilustrador Roger Mello e o promotor cultural Volnei Canônica após coluna publicada pelo último no site Publishnews, especializado no mercado editorial. A questão, que gira em torno do fim da categoria Ilustração, culminou em Bagolin sendo acusado de homofobia, já que Mello e Canônica são casados. Escritores e pessoas ligadas ao setor apoiaram os. Como conclusão de todo esse imbróglio, Bagolin pediu demissão do cargo. Na carta em que renuncia, afirma que já não era mais possível trabalhar sem autonomia e liberdade. “Alguns desses profissionais se acostumaram a estabelecer e a ditar as regras do jogo a fim de atender os seus próprios interesses. Acho isto um erro!”, disse.

Me poupe, mais um
Para quem achava que a moda do youtuber-escritor havia acabado, aqui vai um aviso: parece que ainda vai durar mais um verão. Nathalia Arcuri, do canal Me poupe!, publica seu primeiro livro. O lançamento, que ficou a cargo da Sextante e tem o mesmo nome do canal, apareceu em 6º lugar na lista dos mais vendidos do Publishnews entre os dias 4 e 10 de junho, somando 3.817.

Breves
• Após 50 mil páginas lidas no Kindle Unlimited, Quando o mal tem um nome, suspense de Glau Kemp, será publicado pela Verus.

• Depois do sucesso de sua autobiografia, a cantora Rita Lee publica o livro de fotos favoRita. O lançamento saiu pela Globo Livros.

• O jornalista André Rogal Wuicik relançou em junho Túneis de Curitiba: Verdades e mitos sobre os subterrâneos da capital paranaense, publicado no ano passado.

Print Friendly