Rabisco

novembro 2014 / Rabisco / PRATELEIRINHA_175

Texto publicado na edição #175

PRATELEIRINHA_175

Na terra do Nunca-Jamais Linda Rode Trad.: Cecília Camargo Bartalotti Ilustrações: Fiona Moodie Martins Fontes 235 págs. Sessenta histórias selecionadas […]

> Por RASCUNHO

PRATELEIRINHA_Terra_nunca_jamais_175
Na terra do Nunca-Jamais
Linda Rode
Trad.: Cecília Camargo Bartalotti
Ilustrações: Fiona Moodie
Martins Fontes
235 págs.

Sessenta histórias selecionadas e recontadas, abrangendo o vasto mundo dos contos populares e folclóricos para crianças. Ao final de cada conto, um pequeno comentário indica a terra de cada narrativa, contextualiza e relaciona entre si os contos de vários continentes. Entre outras, uma lição sobre o egoísmo em A lebre preguiçosa; e a clássica fábula alemã d’O lobo e os sete cabritinhos, que ensina: “um lobo nem sempre se parece com um lobo!”.

PRATELEIRINHA_Elefante_entalado_175

O elefante entalado
Alonso Alvarez
Ilustrações: Fê
Ficções
72 págs.

Luís sofre com as mazelas da cidade grande: passa todos os dias da semana sozinho no apartamento localizado no 13º andar, pois os pais só voltam do trabalho tarde da noite; sua diversão, assim, torna-se o celular e seus vários “amigos” virtuais. Certo dia, um elefante indiano de cinco toneladas aparece entalado na janela de seu quarto. Nesta fábula, a modernidade é colocada em xeque, com a promessa de um fim fantástico sob a ótica do menino.

PRATELEIRINHA_Doze_lendas_brasileiras_175

Doze lendas brasileiras — Como nasceram as estrelas
Clarice Lispector
Ilustrações: Suryara
Rocco Jovens Leitores
60 págs.

“Faz de conta. Brinca? Não, é muito sério. Pois o que é que pode mais do que um sonho?”, com esses e outros questionamentos, Clarice Lispector dá boas-vindas no texto A força do sonho, refletindo sobre a riqueza e a importância das histórias da cultura popular. Ao todo, são doze histórias do folclore nacional recontadas, uma para cada mês do ano. Entre outras, a história que dá nome ao livro, que conta como indígenas deram origem a “gordas estrelas brilhantes”.

Print Friendly