Dom Casmurro

outubro 2016 / Dom Casmurro / Poemas de Joanne Kyger

Texto publicado na edição #198

Poemas de Joanne Kyger

A poesia minimalista e delicada de Joanne Kyger

> Por André Caramuru Aubert

A poeta norte-americana Joanne Kyger

A poeta norte-americana Joanne Kyger

Tradução e seleção: André Caramuru Aubert

Joanne Kyger (1934) escreve poesia minimalista, delicada, com ritmo e quebras de linha e muito peculiares, na qual a passagem do tempo ocupa, com frequência, um lugar central. É uma poesia, ainda, que tem os olhos voltados tanto para o modernismo norte-americano quanto para os clássicos orientais (com forte marca zen-budista). Kyger fez parte do San Francisco Renaissance e também esteve próxima aos movimentos Beat e Black Mountain. Foi casada com Gary Snyder e muito próxima aos poetas Ted Berrigan, Robert Duncan e Allen Ginsberg.

Untitled

A late October afternoon
and the mountains are slipped in snow
A gold leaf falls
It is fall
And those far off peaks shining
Pure and rare.

 

Sem título

Um fim de tarde de outubro
e as montanhas escorridas em neve
Uma folha dourada cai
É outono
E aqueles distantes picos brilhando
Singulares e puros.

>>>

Specially for Your Eyes

If you make it this far you are fairly out of danger
because now you are on foot
on dirt roads,   edged with sunlight
and small birds.   When the wind
comes up you inhale it whole
and slowly distribute it
calm   the torrent of breathing

 

Especialmente para os seus olhos

Se você consegue chegar assim tão longe, está quase fora de perigo
porque agora você está a pé
em estradas de terra,   bordeadas de luz do sol
e passarinhos.   Quando o vento
chega você o inala todo
e com vagar o distribui
calmamente   a torrente de respiração

>>>

Untitled

Just where did these thoughts go?
Desperate to do something of charming
Creativity. Weed whip the hypericum.
Talk to Jack and Cass on the phone.
Ride bicycle out into the night.

 

Sem título

Mas para onde é que estes pensamentos foram?
Desesperada para fazer algo com charmosa
Criatividade. O mato maltrata os hipéricos[1].
Conversar com Jack e Cass pelo telefone.
Sair de bicicleta pela noite.

>>>

Looks like it’s going to rain any minute

It’s been four months since my mother died, aged 92
and emotions are smoother now.     Not the depth
of the details of taking care
of her earthly remains.   ‘Rest upon the Beautiful Shore’
becomes her reminder in the softness of Santa Barbara
sunshine and weather.

Her house was sold.   Left one closet full of wooden coat
hangers the other with pastel plastic hangers
separated according to color.

 

Parece que vai chover a qualquer minuto 

Já faz quatro meses desde que minha mãe morreu, aos 92 anos
e os sentimentos são mais serenos agora.   Sem a profusão
de detalhes que envolvem cuidar
de seus vestígios terrenos.   ‘Descanse sobre o Belo Litoral’
se torna a lembrança dela na ensolarada suavidade e no clima
de Santa Bárbara.

Sua casa foi vendida.   Ficou um armário cheio de cabides de
madeira e outro com cabides de plástico pastel
separados por cores.

>>>

Untitled

Bright, sparkling
days come on and out
of each other.

I’m going crazy jammed in. Wanting out there.
No miracles will ever
Happen again. I am really into a ready death.
Stoked up on the fuels — whatever happened
to consciousness raising. Pure and simple
people ready to celebrate everyday.
Faced with a thousand
incompleted tasks, I’m ready
to shuck it all. Take me south
of the border down     border down
Mexico way.

 

Sem título

Luminosos, cintilantes
dias entram e saem
um do outro.

Atolada, eu vou enlouquecer. Querendo sair lá fora.
Nenhum milagre irá jamais
Voltar a acontecer. Estou mesmo dentro de uma disponível morte.
Queimando combustível — o que quer que tenha havido
com a elevação da consciência. Pessoas puras e
simples prontas para celebrar cada dia.
Diante de mil
tarefas inacabadas, estou pronta
para descascar isso tudo. Me leve para o sul
da fronteira, além     além da fronteira
caminho do México.

>>>

June 26

For Ted Berrigan

Unexpected gifts
that liven the moments
in our breathing days
weighs
heavily on me haunted “not free
from the memory
of others”
Jogs the evening ceremony for you
with lightning, thunder & rain, gusts of wind
brings your card and our collaboration
almost a year old.

 

26 de junho

Para Ted Berrigan

Presentes inesperados
que animam os momentos
nestes dias de respiração
pesam
demais em mim assombrada “não liberta
das lembranças
dos outros”
Agitar a cerimônia à tarde dedicada a você
com relâmpagos, trovões & chuva, rajadas de vento
trazem sua ficha e nossa colaboração
de quase um ano atrás.

>>>

At Jon’s House

February 7 Tuesday

The phoebe in the icy cold wind darts quickly
for food in the air while the flock
of meadowlarks pecking on the ground wanders
near the house at the edge
of the meadow. Nothing stays still
for long they are gone.

 

Na casa de Jon

Terça-feira, 7 de fevereiro

O papa-moscas[2] no vento frio de gelar se lança ligeiro
em busca de comida no ar enquanto o bando
de cotovias ciscando no chão perambulam
perto da casa na beira
da campina. Nada permanece
por muito tempo eles se foram.

>>>

At Jon’s House

February 17 Friday

Mist     on the orchids
and Mist     across the ridge     warm
sun at the door   come in

Na casa de Jon

Sexta-feira 17 de fevereiro

Névoa     nas orquídeas
e Névoa     por toda a serra     cálido
sol à porta   entre

>>>

Again

Life has a repetitious feel,
continuing the yearly progression of one’s history
in one place
change is subtle, sometimes hardly noticed
and then a large gasp, someone is gone, forever.

The migrating flocks return
the coast range changes color,
monarchs come back…
‘restless surface watching the minutes’

Not too much happens   strands
of consciousness,           strands of dreams
precious, rare and mundane, where we live

 

Novamente

A vida tem uma sensação repetitiva,
continuando a progressão anual da história de alguém
em um lugar
a mudança é tênue, às vezes mal percebida
e então um grande suspiro, alguém se foi, para sempre.

Os animais migratórios retornam
a linha costeira muda de cor,
monarcas[3] estão de volta…
‘superfície agitada observando os minutos’

Não acontece muita coisa   fluxos
de consciência,           fluxos de sonhos
preciosos, raros e mundanos, onde nós vivemos

>>>

Friday 2:44 PM

The sun is about to pass
from behind the last tree
in the eucalyptus grove   Soon in a few
more minutes maybe five
to spend gazing at the wild ruffle
of scrofularia, coyote bush, coffee berry
Just waiting, & waiting
to finish and lie down
again while the sun keeps its downward path
before drowning off Agate Beach reef.

Chin in hand I see them bobbing along the surf line
in tender dalliance
Lovely to remember while the westward orb silhouettes
the sickle shaped leaves of the grove
and we’ll soon be eyeball to light
soothing the musing of expectation —
It’s here       the moment begins.

 

Sexta-feira 14h44

O sol está quase a passar
por detrás da última árvore
no bosque de eucaliptos    Logo em alguns
poucos minutos mais talvez cinco
para ficar contemplando a agitação selvagem
das escrofulárias, erva de coiote[4], coffee berry[5]
Só esperando, & esperando
para terminar e deitar
novamente enquanto o sol segue em sua descida
antes de se afogar nos recifes da praia Agate.

Com o queixo na mão eu os vejo no sobe-desce das ondas que chegam
Em doce galanteio
É adorável lembrar enquanto as silhuetas do mundo a oeste
as folhas do bosque em formato de foice
e nós logo seremos um globo ocular para a luz
aliviando a reflexão sobre a expectativa —
É aqui       o instante começa.

NOTAS

[1] Gênero de arbusto de abundante floração muito comum na Califórnia.

[2] Phoebe é o nome popular de um passarinho semelhante a um pardal, abundante na América do Norte e em parte da América Latina, mas não no Brasil. Para traduzir o nome, optei por aportuguesar um dos termos com que é conhecido nos países de língua espanhola, “papamoscas”.

[3] Borboletas-monarcas, famosas por suas longas viagens migratórias, que começam no sul do Canadá e chegam até o norte da América Latina.

[4] Tradução livre de nomes de arbustos típicos da Califórnia.

[5] Mantivemos o nome original deste arbusto, pois é assim que tem sido chamado, no Brasil, ao ser utilizado em jardins.

 

Print Friendly