Vidraça

setembro 2017 / Vidraça / Novo imortal

Texto publicado na edição #209

Novo imortal

Notas sobre literatura e mercado editorial

> Por Jonatan Silva | Coluna

Vidraça_Antonio_Cicero_2_209

O poeta e letrista Antonio Cícero, 71 anos, foi eleito para a cadeira número 27 da Academia Brasileira de Letras, ocupada por Eduardo Portella, morto em maio. Cícero, conhecido pela sua parceria musical com a irmã, a cantora Marina Lima, já havia sido derrotado outras duas vezes e era considerado o favorito nesta ocasião. “A Academia está se transformando o tempo todo, e sempre aberta ao contemporâneo. O ambiente é bom e tenho amigos lá”, declarou o novo imortal.

portrait of N.K. Jemison

Quebrando tabus
A norte-americana N. K. Jemisin ganhou, pelo segundo ano consecutivo, o prêmio de Melhor Livro no Hugo Award, que elege as melhores obras de fantasia e ficção científica. The obelisk gate, ainda inédito no Brasil, é a sequência de The fifth season, vencedor de 2016 e também sem tradução por aqui. Quando foi anunciada como a grande vencedora do Hugo Award no ano passado, Jemisin quebrou um tabu, tornando-se a primeira negra a ser agraciada na categoria máxima do prêmio. A autora tem uma legião de fãs nos Estados Unidos e na Europa. O último escritor a vencer por duas vezes consecutivas a categoria de Melhor Livro foi Lois McMaster Bujold, em 1991 e 1992.

Ô da poltrona!
O humorista Renato Aragão deve ganhar em breve uma biografia, escrita pelo jornalista Rodrigo Fonseca e publicada pelo selo Estação Brasil, recentemente criado pela Sextante. Ainda sem título definido, o livro deve abarcar toda a vida de Renato, que nasceu em Sobral — mesma cidade de Belchior —, em 1935, detalhando momentos marcantes de sua carreira com Os Trapalhões até os dias atuais.

Papo polêmico
O professor e filósofo Leandro Karnal e o padre Fábio de Melo devem lançar no final de setembro Crer ou não crer. Publicada pela Planeta e com estimativa de tiragem inicial de 50 mil exemplares, a obra promete um debate entre o ceticismo e a fé.

Vidraça_John_Green_209

A volta do Green
Após seis anos, John Green volta às livrarias com obra inédita. Tartarugas até lá embaixo narra a história da jovem Aza Holmes que, enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), precisa encontrar um bilionário desaparecido. Publicado no Brasil pela Intrínseca, o livro promete referências à vida pessoal do autor, com a paixão pela cultura pop e o TOC.

 Leitura Solidária
O Instituto Estação das Letras (IEL) lançou em agosto o Projeto Literatura para Todos, que oferece cursos sobre gêneros literários. A ação faz parte de uma política de bolsas de criação literária. Integram a iniciativa o projeto Leitura Solidária, no qual voluntários usam a literatura como forma de “proporcionar momentos alegres a outras pessoas” e o Samburá de Livros, que recebe doações de obras que serão doadas a instituições com projetos de incentivo à leitura.

Breves

• Se eu fechar os olhos (2009), de Edney Silvestre, será adaptado para a TV no formato de minissérie em dez capítulos. O roteiro está a cargo de Ricardo Linhares, que já entregou metade os episódios planejados. A estreia está prevista para 2019.

• André de Leones acertou com a José Olympio a publicação de seu novo livro, Eufrates, que deve ser entregue à editora em dezembro e ser colocado à venda no primeiro semestre de 2018.

• A Record publica em setembro Heinrich Himmler Cartas de um assassino em massa, um compêndio das correspondências do oficial nazista trocadas com a esposa. O livro foi organizado pelo professor de história alemã Michael Wildt e Katrin Himmler, escritora e sobrinha-neta do líder da SS.

• O Grupo Livrarias Curitiba investirá R$ 34 milhões para expandir as operações, focando na construção de um novo Centro de Distribuição e reforçando a presença no interior paulista.

• Felipe Pena publica pela Record Crônicas do golpe, a respeito do processo de impeachment de Dilma Rousseff. A obra é uma coletânea de cartas, artigos e diálogos a respeito da crise política após as eleições de 2014.

• A polêmica criada a respeito do desaparecimento de Bruno Borges, conhecido como “Menino do Acre”, parece ter dado resultado. O livro escrito pelo rapaz, Teoria da absorção de conhecimentos, chegou ao 20º lugar na lista dos mais vendidos do Publishnews, vendendo quase 500 unidades em uma semana.

Print Friendly