Ensaios e Resenhas

julho 2019 / Ensaios e Resenhas / Líria Porto

Texto publicado na edição #231

Líria Porto

Três poemas de Líria Porto

> Por Líria Porto

Transição

ao tirar o sutiã soltava os peitos
o recheio todo feito de algodão
precisava ser mulher de qualquer jeito
o seu corpo foi fazer revolução

começou por arrancar aqueles pelos
que habitavam suas pernas sua cara
e deixou que lhe crescessem os cabelos
e vestiu roupa de flor — a que sonhara

já não era decassílabo o soneto
muito menos o heroico alexandrino
travestiu-se de mulher algo divino

caminhava pelos becos pelo gueto
como fosse a mais bela das rainhas
e ostentasse uma coroa com espinhos
relembranças e esquecimentos

raro o ano que mamãe não tinha filho
quatro meninas dois meninos duas meninas um menino
uma fileira de nove rebentos e o corpo acostumado
com criança dentro
:
velhinha mamãe tinha
criança dentro
violência

não tenho medo da vida não tenho medo da morte
tenho medo é da ferida — e da lâmina
e do corte

Print Friendly