Vidraça

abril 2019 / Vidraça / Ignácio imortal

Texto publicado na edição #228

Ignácio imortal

Notas sobre literatura e mercado editorial

> Por Jonatan Silva | Coluna

VIDRAÇA_Ignacio_Loyola_Brandao_foto_carla_formanek_228

Ignácio de Loyola Brandão foi escolhido como novo imortal da Academia Brasileira de Letras em 15 de março. O autor de Zero e Não verás país nenhum foi eleito por unanimidade e irá ocupar a cadeira de número 11, vaga desde a morte Hélio Jaguaribe, em setembro de 2018. “Ele é um escritor puro sangue radical. Sua obra, consagrada no Brasil e no exterior, traz um misto de alta cultura e ironia, olhar incisivo e experimental”, disse em nota Marco Lucchesi, presidente da casa. O escritor conseguiu unir as duas alas da ABL: a dos escritores e a dos “notáveis”, formada por juristas, políticos e egressos de outras áreas.

O ano do Mez
A Arte & Letra publica ainda neste ano O mez da gripe, de Valêncio Xavier (1933–2008), fora de catálogo há anos. A história do livro gira em torno do surto de gripe espanhola que atingiu Curitiba em 1918, matando inúmeras pessoas. Como é de praxe na obra de Valêncio, mais importante que o texto são as imagens e recortes de jornais que dão forma à narrativa. A criação do autor se dá pelo projeto gráfico e pela construção iconográfica, marcas registradas da sua produção literária. 

Adeus ao gênio do crime
João Carlos Marinho, autor do clássico infantojuvenil O gênio do crime, morreu em 17 de março, aos 83 anos. Ele estava internado para tratar de uma infecção, mas não resistiu. O gênio do crime completou 50 anos em fevereiro e narra as peripécias da turma do Gordo ao ajudar o dono de uma fábrica de figurinhas de futebol a descobrir um criminoso que falsificava os cromos mais raros. 

Oceanos mais polpudo
Estão abertas até 14 de abril as inscrições para o Prêmio Oceanos. A premiação será de R$ 250 mil — R$ 120 mil para o primeiro colocado; R$ 80 mil para o segundo e R$ 50 mil para o terceiro. Podem ser inscritos livros de poesia, romance, conto, crônica e dramaturgia em língua portuguesa publicados em 2018, em qualquer lugar do mundo, desde que as obras tenham a primeira edição em língua portuguesa. As inscrições podem ser feitas pela editora ou pelo autor, com o preenchimento da ficha no site www.itaucultural.org.br/oceanos2019. 

Novo McEwan
Ian McEwan publica neste mês seu novo romance, Machines like me, que deve ser publicado ainda neste ano no Brasil pela Companhia das Letras. A trama se passa em uma Inglaterra alternativa dos anos 1980, onde os primeiros seres humanos sintéticos começam a ser construídos. Charlie, um brilhante estudante, e sua namorada Miranda compram Adam, uma espécie de ciborgue perfeito: jovem, bonito e inteligente — ingredientes que ajudam a formar um perigoso triângulo amoroso.

O ócio não para
O escritor e sociólogo italiano Domenico De Masi vem a Curitiba participar do Phi I Encontros de Conhecimento. A conferência, que terá como tema Tempo, trabalho e ócio na sociedade pós-industrial, acontece no dia 23 deste mês, no Teatro Positivo, a partir das 19h30. Os ingressos custam entre R$ 60 e R$ 120. 

Contos na rede
Rinaldo de Fernandes, escritor, professor e colaborador do Rascunho, encerrou em março o projeto O livro dos 1001 microcontos, cujos textos eram publicados exclusivamente no Facebook. Para o autor, a rede social potencializou e democratizou o alcance dos contos. A ideia do autor é publicar uma versão impressa chamada O livro dos 501 microcontos e um e-book com todos os textos. 

Nova Serrote
A revista Serrote #31, do Instituto Moreira Salles, publica ensaio do historiador americano Stephen Greenblatt a respeito da relação entre a tirania e os livros. O tirano segundo Shakespeare apresenta ao leitor brasileiro um diálogo sobre a estrutura que o dramaturgo inglês utilizava em seus textos para retratar os líderes políticos. Outros destaques são os livros inéditos O homem – com variações, de Joseph Mithcell, e O toldo vermelho de Bolonha, de John Berger.

Breves
• Eliana Cardoso ganhou o 3º Prêmio Kindle de Literatura, com o romance Dama de paus, que será publicado pela Nova Fronteira. A autora também recebeu R$ 30 mil.

• Luiz Ruffato lança neste mês seu novo romance, Verão tardio, pela Companhia das Letras.

• Siri Hustvedt lançou no mês passado Memories of the future, um jogo de espelhos entre a memória e eu, o real e o imaginário.

• O thriller psicológico nigeriano Minha irmã, a serial killer, de Oyinkan Braithwaite, ganha neste mês edição nacional pela Kapulana.

• Depois de 15 anos como juíza de uma Vara de Família, Andrea Pachá reúne as suas experiências no livro A vida não é justa.

• A Rádio Londres lança em abril Canto da planície, primeiro volume da Trilogia da planície, de Kent Haruf, autor do belíssimo Nossas noites.

• O curitibano Homero Gomes lança no segundo semestre a novela Matei o presidente, pela Arte & Letra.

Print Friendly