Inquérito

maio 2016 / Inquérito / Frio como gelo

Texto publicado na edição #193

Frio como gelo

26 perguntas a Rubens Figueiredo

> Por RASCUNHO

Rubens Figueiredo é autor de Barco a seco.

Rubens Figueiredo é autor de Barco a seco

Rubens Figueiredo nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 1956. É considerado um dos mais originais ficcionistas brasileiros contemporâneos. Autor, dentre outros, de Barco a seco (Prêmio Jabuti) e Passageiro do fim do dia. Também se dedica à tradução de autores russos e de língua inglesa. É responsável pelas traduções de clássicos como Anna Kariênina e Guerra e paz, de Tolstói.

• Quando se deu conta de que queria ser escritor?
Era adolescente. Queria uma porção de coisas.

• Quais são suas manias e obsessões literárias?
Não tenho mania nem obsessão.

• Que leitura é imprescindível no seu dia a dia?
Nenhuma.

• Se pudesse recomendar um livro à presidente Dilma, qual seria?
No momento em que escrevo isto, a mesma classe e os mesmos grupos sociais de sempre estão dando mais um golpe de Estado no Brasil. Como sempre, dizem que não é golpe. Como sempre, a mídia e o Judiciário tentam legitimar. Como sempre, manipulam uma parte da população com um discurso histérico e politicamente vazio de combate à corrupção. Um vazio que, em seguida, ganhará seu conteúdo político, por enquanto mantido na sombra, à espera. Em vez de recomendar um livro, digo que a Dilma tem todo meu apoio e reconhecimento como uma mulher extraordinária.

• Quais são as circunstâncias ideais para escrever?
Estar frio como gelo (como disse Tchekhov) e ter a consciência mais clara possível acerca do assunto sobre o qual pretendo escrever.

• Quais são as circunstâncias ideais de leitura?
Que o texto tenha conteúdo e seja escrito com clareza e organização.

• O que considera um dia de trabalho produtivo?
Se a pergunta se refere à atividade de escritor, escrever, para mim, não é trabalho nem pode ser medido em termos de produtividade. Mas a expansão capitalista tende a mudar isso e transformar também essa atividade humana em mais um produto.

• O que lhe dá mais prazer no processo de escrita?
Se o que tenho a dizer é relevante, tudo dá prazer. Até errar.

• Qual o maior inimigo de um escritor?
Acreditar que não precisa ter o que dizer.

• O que mais lhe incomoda no meio literário?
O meio literário nada tem de diferente em relação a outros ambientes. São pessoas iguais às outras, com os mesmos problemas e virtudes. Só que, incontestavelmente, é um ambiente tomado pela elite social, com poucas mulheres, quase nenhum negro e sem pobres. Isso afeta os critérios sobre o que se escreve.

• Um autor em quem se deveria prestar mais atenção.
Natalia Ginzburg. Mas, nas circunstâncias presentes, receber muita atenção pode não ser nada bom.

• Um livro imprescindível e um descartável.
Não sei dizer.

• Que defeito é capaz de destruir ou comprometer um livro?
Escrever a sério, ou seja, para desenvolver uma perspectiva crítica, e não para alienar o leitor, é muito difícil. Escrever mal, ou escrever páginas ruins, não é crime, não é motivo para alarde. Mesmo assim, nesse caso, nesse tipo de livro, acho que nenhum defeito é capaz, no rigor das palavras, de destruir ou comprometer o resultado.

• Que assunto nunca entraria em sua literatura?
Não sei responder.

• Qual foi o canto mais inusitado de onde tirou inspiração?
Algo que fiz durante anos, várias vezes por semana, sem perceber. Uma experiência de alienação vivida.

Rubens_Figueiredo_1_193

Antes de levantar o nariz e responder que a literatura não tem obrigação de nada, é bom lembrar que ninguém tem obrigação de ler.

• Quando a inspiração não vem…
Azar.

• Qual escritor — vivo ou morto — gostaria de convidar para um café?
Prefiro convidar minha esposa. É mais inteligente.

• O que é um bom leitor?
Aquele que relaciona sinceramente o que lê às circunstâncias da sua vida e das pessoas de seu tempo e tira o máximo proveito disso.

• O que te dá medo?
Ter feito ou fazer mal a alguém.

• O que te faz feliz?
Ter feito ou fazer algo de bom a alguém.

• Qual dúvida ou certeza guiam seu trabalho?
Quando escrevo, eu gostaria de ser guiado por questões e questionamentos.

• Qual a sua maior preocupação ao escrever?
Dizer algo de pertinente e útil.

• A literatura tem alguma obrigação?
Antes de levantar o nariz e responder que a literatura não tem obrigação de nada, é bom lembrar que ninguém tem obrigação de ler.

• Qual o limite da ficção?
Não sei.

• Se um ET aparecesse na sua frente e pedisse “leve-me ao seu líder”, a quem você o levaria?
Não existem ETs.

• O que você espera da eternidade?
Que eu saiba, só existem o tempo e a história e não vale a pena perder tempo com o que não existe.

Print Friendly

5 respostas para “Frio como gelo”

  1. Foi Direto ao ponto.
    Confiante, coeso e coerente.
    Muito boa a resposta sobre o maior inimigo de um escritor, principalmente atualmente, quando muitos acham o autor mais importante do que a obra…

  2. Lilian Farias disse:

    Uma das melhores entrevistas que já li. Direto, inteligente, honesto e político.

  3. João carlos viegas disse:

    Rubem foi meu colega na Letras da Ufrj e tenho lembrança de uma pessoa gentil. A entrevista foi boa e gostei da posição dele em relação ao golpe.

  4. M. de Marins disse:

    Frio, realmente.
    a entrevista me agradou, mesmo a parte política que, ao meu ver, foi muito mal analisada.

Deixe uma resposta