Entrevistas

janeiro 2018 / Entrevistas / Escrever é o grande barato

Texto publicado na edição #conteúdo on-line

Escrever é o grande barato

Marcia Tiburi  comenta sobre suas leituras de férias e suas experiências nas redes sociais

> Por Jonatan Silva

marcia tiburi

Filósofa, professora, escritora e artista plástica, Marcia Tiburi é o retrato do intelectual multifacetado — capaz de se perceber e se expressar nos diversos meios e plataformas. Marcia é autora de romances — como Uma fuga perfeita é sem volta — e ensaios sobre questões contemporâneas — Como conversar com um fascista e Feminismo em comum — e está envolvida em importantes discussões sobre assuntos que pululam na mídia mainstream e nas redes socais.

Ainda que seus textos sejam amplamente divulgados no Facebook e no Twitter, a filósofa comenta que não costuma usá-los com frequência. “O que aparece nas redes nada mais é do que a divulgação desses trabalhos. Não ocupo exatamente o meu tempo com o Facebook e nem com outras redes”, afirma em entrevista ao Rascunho.

Sua proficuidade faz com que esteja sempre abarrotada daquilo que chama de “leituras obrigatórias”. Segundo Marcia, ao se desvencilhar desses textos, pode se considerar de férias.

• Como são as férias para um escritor? Esse é um momento de leitura ou distanciamento dos livros?
Férias de escritor é um conceito um pouco difícil para mim, até porque no nosso contexto brasileiro ser escritor é mais uma condição do que uma profissão. A ideia de férias da escrita ou dos livros, como descanso desse tipo de trabalho soa um pouco estranha, já que escrever é que é o grande barato, o grande prazer, ainda que seja sempre um imenso desafio, algo complexo e até tenso. É de algum modo, o Nirvana, entende? Mas, em aceitando o desafio do conceito, talvez eu esteja nesse momento em férias como escritora. Estou lendo coisas que não fazem parte de minhas pesquisas. Agora, por exemplo, entreguei um pequeno ensaio sobre feminismo e um romance que será publicado no segundo semestre desse ano. Então, estou lendo coisas que não são obrigatórias, nem urgentes, nem essenciais. Devo estar de férias.

• Você usa as férias como um período criativo? Como é a sua dinâmica nesse momento?
Sou professora e quando não estou dando ou preparando aulas, estou lendo e escrevendo em torno das pesquisas para meus livros, sejam ensaios, sejam romances.

• Existe algum momento marcante das suas férias na infância que reverberou na sua literatura?
Eu não tive férias na infância.

• Houve algum autor que você descobriu nas leituras de férias e que acabou por se tornar essencial na sua formação como leitor?
Thomas Bernhard. Eu li Extinção há uns 5 ou 6 anos apenas, numa virada de ano. Não acreditei no que li de tão perfeito que achei.

• Você é ativa nas redes sociais e sempre se posiciona politicamente — o que tem se tornado um pouco raro entre os intelectuais. Como você consegue dosar o tempo online, de modo que não se torne um ralo de sua criatividade, principalmente nas férias?
Eu escrevo no blog da Revista Cult uma vez por semana e para a revista impressa uma vez por mês. Às vezes escrevo para outros veículos de comunicação. Costumo dar entrevistas também. O que aparece nas redes (Facebook, Twitter, etc.) nada mais é do que a divulgação desses trabalhos. Não ocupo exatamente o meu tempo com o Facebook e nem com outras redes, apenas com o blog mesmo. Sou bem ruim com mensagens, e-mails e outros e quando tem alguém que cuida disso por mim, eu agradeço muito. Rarissimamente leio comentários de Facebook ou no meu blog e mais raramente ainda eu respondo. Não é por má vontade não, é que os livros que eu tenho para ler e escrever me distraem muito dessas coisas. Quando vejo, passei dias e dias sem trabalhar de graça para o Mark Zuckerberg, ou quem seja o dono do Facebook hoje. Atualmente, estou usando um pouco mais o Instagram e tentando estudá-lo.

• Que livro você indicaria como leitura para as férias?
Eu paralisei por causa do Vulgo Grace da Margareth Atwood. Li de uma vez só. Preferia ser politicamente correta e indicar um autor brasileiro, mas sinceramente, estou vidrada em vários livros da Atwood faz um tempo. Além do imperdível O conto da Aia, há outros livros de contos maravilhosos, tais como O ovo do Barba-Azul. Recomendo qualquer um.

Print Friendly