244

Chacal, um dos expoentes da geração mimeógrafo

Velha inquietação

Por EDUARDO FERREIRA

A tradução de poesia só não é impossível porque precisa ser feita

Olavo de Carvalho, mentor intelectual da extrema direita brasileira

Um sistema de crenças que chegou ao poder

Por JOÃO CEZAR DE CASTRO ROCHA

Olavismo e bolsonarismo abraçados em busca da hegemonia de um pensamento rasteiro

Infarto 23, Putaendo, da série O infarto da alma, 1994. Coleções Fundação Mapfre © Paz Errázuriz, cortesia da artista.

O amor confinado

Por Raquel Matsushita

“O infarto da alma” retrata por meio de fotos e textos as relações amorosas entre internos de um hospital psiquiátrico

18145103

A estrela, de Ferreira Gullar

Por WILBERTH SALGUEIRO

Um poema que solicita e mobiliza nossa sensibilidade

leon-tolstoi-800x445

Na paz e na guerra

Por Tércia Montenegro

Não imaginava que o livro de Tolstói fosse me cavar tantos abismos no processo de leitura

MichelLaub

Depois do tribunal

Por Jonatan Silva | Coluna

Notas sobre literatura e mercado editorial

Benjamin Moser_244

Mundo dividido

Por VIVIAN SCHLESINGER

Em “Sontag — Vida e obra”, Benjamin Moser captura toda a complexidade da escritora norte-americana

unnamed

Sérgio Sant’Anna fantástico

Por RINALDO DE FERNANDES

Um conto de fôlego, poesia, tensão, densidade

Brasil, Salvador, BA. Um dos mais famosos escritores brasileiros, Jorge Amado. Pasta: 3888 - Crédito:MASSAO GOTO FILHO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:14025

Por uma estética popular brasileira

Por RAIMUNDO CARRERO

Como Jorge Amado fundou as bases de uma literatura livre dos conceitos clássicos, elitistas e conservadores

Kurt Vonnegut_244

Narrar sem heróis

Por Guilherme Gontijo Flores

Com linguagem árida e ferina, Kurt Vonnegut criou dois romances — repletos de paradoxos e sensibilidade — sobre os Estados Unidos do século 20

Edney_Silvestre_foto_2_Leo_Aversa_244

Faz diferença?

Por RASCUNHO

26 perguntas a Edney Silvestre

Afonso Cruz, autor de Vamos comprar um poeta

Aula de poesia, em prosa

Por ANDRÉ ARGOLO

O irônico e distópico “Vamos comprar um poeta”, de Afonso Cruz, faz uma defesa da poesia e sua função social