222

André Balaio, autor de Quebranto.

Realismo das lendas urbanas

Por MAURÍCIO MELO JÚNIOR

Nos misteriosos contos de “Quebranto”, a clareza de linguagem e a liberdade de criação sobressaem

Georges_Didi-Huberman__222

O horror do espetáculo

Por LUIZ HORÁCIO

Didi-Huberman apresenta o rigor de Bertolt Brecht e seu pensamento acerca da guerra, história e política

Carlos Eduardo Pereira, autor de Enquanto os dentes.

Odisseia particular

Por Jorge Ialanji Filholini

Em “Enquanto os dentes”, Carlos Eduardo Pereira apresenta uma história urgente e poderosa sobre relações humanas e acessibilidade

Fran Martins, autor de Poço dos Paus.

Amostra de vitimismo

Por RODRIGO GURGEL

“Poço dos Paus”, de Fran Martins, não passa de uma redação infantil, às vezes hesitante, com um discurso indireto livre superficial

Carlos Marighella, autor de Minimanual do Guerrilheiro Urbano

Minimanual do guerrilheiro urbano: leituras e prismas (3)

Por JOÃO CEZAR DE CASTRO ROCHA

O leitor cuidadoso por certo não se surpreende com a onipresença do personagem

O poeta Alberto Pucheu

Ela, o outro, de Alberto Pucheu

Por WILBERTH SALGUEIRO

A poesia serve, sim, a qualquer um que dela se sirva

leitores

O outro enquanto literatura

Por MIGUEL SANCHES NETO

A literatura tipicamente brasileira passa por uma guinada sociológica

O grito

Literatura & conhecimento

Por Alcir Pécora

Escaldadas com o tratamento duro, as artes aprenderam a defender-se inventando a posse de um “conhecimento” capaz de justificar as suas atividades vagamente suspeitas

Ilustração: Aline Daka.

Mishima no Brasil

Por JOSÉ CASTELLO

Mishima se interessou — na verdade, se espantou — mais ainda com a língua portuguesa

jose_de_alencar

Tradução e preconceito

Por EDUARDO FERREIRA

A tradução é uma longa corrente de distorções, que se revela não só no texto traduzido, mas também no original

Rachel-de-Queiroz

A crise de criatividade de nossa literatura

Por RINALDO DE FERNANDES

Estamos numa forte crise de criatividade, de ousadia formal

Ilustração: Teo Adorno.

Machado é muito bom, mas não é foda

Por NELSON DE OLIVEIRA

Por que eu sempre volto, se no fundo mais fundo de mim mesmo eu já sei que vou encontrar essa chatice hierática?