132

HQ_RM_132

HQ_abril_2011

Por RAMON MUNIZ

literalmente_MJ_132

Literalmente_abril_2011

Por MARCO JACOBSEN

“A literatura é uma prostituta sagrada. Ela se oferece em sacrifício, ela vive esse sacrifício, mas de quem a sacrificou ninguém se lembra. Isso é que é absolutamente fascinante. Chame-se isso deserto, matemática, língua, quixotismo ou loucura.” Marco Lucchesi, em sua participação no Paiol Literário.

Vidraça_abril_2011

Por LUÍS HENRIQUE PELLANDA

  Só pode haver um Tanto se reclamou do Jabuti nos últimos meses que a Câmara Brasileira do Livro capitulou: […]

Continuemos a fotografar o filme

Por EDUARDO FERREIRA

O original tem, além de sua quase irritante presunção de originalidade, uma dinâmica que nenhuma tradução terá — nem mesmo […]

Ilustração: Tereza Yamashita

Espião alemão

Por SALIM MIGUEL

Manhãzinha o boca-a-boca vara a cidade vem do Prado depois da ponte de ferro até o Grupo Escolar caminho para […]

Condição

Por RUY ESPINHEIRA FILHO

1. E aqui estou escrevendo mais um livro. Não sei até quando escreverei mais um livro. Não posso saber, não […]

O sentido do silêncio

Por ROGÉRIO PEREIRA

O rangido estridente da porta escancara a silhueta delicada, quase quebradiça, afundada — sem perder certa dignidade solene — no […]

Antologias de contos: Quem faz? Que critérios utiliza? (1)

Por RINALDO DE FERNANDES

Uma faceta pouco comentada de Graciliano Ramos é a de antologista. Mas, pelo método que adotou, infalível, até aqui absolutamente […]

Desastres naturais

Por LUIZ BRAS

O que significa um terremoto? Um tsunami quer dizer o quê? O que significam 8,9 pontos na escala Richter? Onde […]

As primeiras palavras, segundo Saer

Por JOSÉ CASTELLO

Escritores estão sempre aprisionados em si mesmos. Essa condição os leva, sempre, a reescrever o mesmo livro. Existe um único […]

Labirinto lingüístico

Por LUIZ HORÁCIO

A protagonista de A ninfa inconstante não é Estela, não é Cuba, tampouco o narrador. A memória é a grande […]

Ilustração: Francisco Brennand

Abril em Paris (1)

Por FERNANDO MONTEIRO

Não a percebi. Eu simplesmente não a percebi — ao entrar na sala às escuras. Entrei, e só depois de […]