Ensaios e Resenhas

junho 2018 / Ensaios e Resenhas / Corpo coberto de linguagens

Texto publicado na edição #218

Corpo coberto de linguagens

A leitura de "Adeus, cavalo", de Nuno Ramos, surpreende pelas junções de falas e vozes

> Por Jorge Ialanji Filholini

Nuno Ramos, autor de Adeus, cavalo.

Nuno Ramos, autor de Adeus, cavalo.

CAVALO JABUTI, CAVALO SILOGISMO, CAVALO VERMILHIDÃO, CAVALO MONÇÃO, CAVALO TOUPEIRA, CAVALO RELINCHO, CAVALO UMA TENDA, CAVALO FREQUÊNCIA MODULADA, CAVALO AO CONTRÁRIO, CAVALO SEMBLANTE, CAVALO AGORA, CAVALO APITO FINAL. Epa! Epa! Pode parar. Pare aqui!
(gesto com a mão direita puxando a corda e balançando a bunda na sela)

O novo livro de Nuno Ramos, Adeus, cavalo, é a cavalgada da linguagem. O leitor está condicionado a galopar com olhos. Perseguir ritmo, relinchar versos e receber um coice certeiro na consciência. O artista e sua habitual experimentação. A totalidade. Delírios. Na escrita, Nuno também faz de seus textos suas esculturas. Lapidadas com precisão para chocar, fazer com que a obra plástica saia daquelas páginas com as impressões de que o modo de vida mudou por meio da arte: “A totalidade das luzes sobre uma única pessoa. A totalidade dos olhos sobre um único corpo”.
(pausa, com as duas mãos na cabeça)

Novela, relato, versos em prosa, não há definição para Adeus cavalo, nem o próprio Nuno deseja tal categorização. E isto demonstra que com a literatura a invenção não tem limites. Um bloco de argila, pronto a ser desconstruído, desfigurado. Nuno traça e joga fora o exterior e conserva na superfície o subjetivo e tem a liberdade de evocar personagens reais — Nelson Cavaquinho, Procópio Ferreira e Ungaretti —, mas de situações desprendidas de verossimilhança. Um cavalo selvagem em campos insólitos. Problemas pessoais escancarados em virtude de compreendermos os anseios de um personagem atormentado pela arte. É o que o professor e crítico literário, Karl Erik Schøllhammer, definiu, em 2009, no livro Ficção brasileira contemporânea: “A literatura que hoje trata dos problemas sociais não exclui a dimensão pessoal e íntima, privilegiando apenas a realidade exterior; o escritor que opta por ressaltar a experiência subjetiva não ignora a turbulência do contexto social e histórico”.
(gesto de que vai apertar o backspace)

Nota-se este detalhe em Adeus, cavalo ao deixar a narrativa em forma de relato, até mesmo permitir como protagonismo os diversos mecanismos da atuação, mesmo na linguagem, verificam-se as manifestações corporais. O Teatro lido. Uma homenagem do autor ao teatro. A realidade detalhada por um ator no auge de seu delírio. Em que corpo é habitado? Em que tempo está sendo falado? Nuno deixa as pontas soltas. Apresenta-nos um personagem que não se importa em nos contar o real enredo. Quer chocar e tem como texto o abstrato. A arte de perturbar a memória.
(gesto de olhar para a cafeteira e tomar um gole de chá)

As farpas da madeira do palco
O dramaturgo, ator e membro fundador da Pequena Companhia de Teatro, de São Luís (MA), Marcelo Flecha, escreveu em seu artigo semanal no blog do grupo teatral (pequenacompanhiadeteatro.blogspot.com.br/) sobre a motivação que a atuação lhe proporciona: “Nossa permanente dissecação de realidades, apesar de inconveniente, nos possibilita o mínimo entendimento das circunstâncias, meios e procedimentos com que se operam os códigos da linguagem teatral”.

(gesto com braços entrelaçados no teclado do computador)
Esta ideia é que lateja na mente do protagonista de Adeus, cavalo, fazer da realidade a linguagem teatral. O palpável em performance. Lúdico e lúcido. A frenética busca pelo Teatro sem Plateia (TSP), assim como do Teatro em qualquer parte (TEQP), conceitos pelos quais lutou por toda a sua carreira, traz o conflito entre o impalpável e o palpável. O cavalo não domado. O mais íntimo do teatro. Amálgama da performance e das características humanas. O ator é plateia e peça. Bilheteria e palco. É a farpa da madeira que penetra na pele. A atuação transcorre. Ascende, mesmo que O ator não se assista em cena. É voz e palmas:

Não, não quero que me ajude a fazer nada. Todos perguntam sobre Procópio e aquela época com Procópio, o Teatro Sem Plateia (TSP), o Teatro Em Qualquer Parte (TEQP) que fundamos, mas meu amado primeiro cavalo, ainda jovem, embora mais velho do que eu, expelia vozes como um veneno doce, próximo do motor da parecença de tudo, bicho e planta, tapetes, armários e gavetas, e aquilo vai dentro das gavetas, pontas de lápis, borrachas, durex sem cola, bics sem tinta, clipes tortos.

A enorme citação é para evidenciar a experimentação proposta pelo protagonista. Cavalo sem antolhos. Cavalo que deixa as pegadas pelo palco, quer transformar manada, a seu modo, e pisar nos paradigmas. Quebrar cercas. Não quer transportar gente em seu lombo. E Nuno sabe do desafio utópico proposto pelo Ator, dando voz a um personagem de extrema loucura e configuração delirante

Os homens de guarda-chuva disseram me amar. E querer me educar. Ensinar um ofício. Diga, o que é que vai ser? Mímico? Serralheiro? Calculista? Não. Não. Ator.

(gesto com os pés carpete, roçando, para coçar a mordida do mosquito)
Mas o desejo abissal requer circunstancia drástica. A loucura apetece o protagonista. “Fiquei para trás como um pássaro migrante que envelheceu e não pode mais voar.” Chanfro enrugado. A entrevista excêntrica, vítima de sua própria encenação teatral. Cavalo sendo caçado pela imprensa. Cavalo velho é o primeiro a ser abatido em uma crise. Incompreensível, o ator concede a entrevista e fragmenta seus relatos, suas vivências. Um completo anti-dono da memória. O ator, um fornecedor do corpo e voz para personagens. O livro também coloca em cena personagens de atitudes variadas. Nuno aborda as linguagens intercalando-as com os gestos de seu protagonista. A inquietação. O corpo que reage. A linguagem corporal. O ator tem mais que uma língua para se apresentar. Em Adeus, cavalo, Nuno fornece esta ideia. Transgredir a literatura. Em um único protagonista, formidavelmente, acrescentar três personas. Contra a estética, o mais absurdo que se pode chegar na ficção.

do puto do Nelson Cavaquinho. Então vamos dormir, comer, trepar, Ungaretti, tomar banho de mar e mais nada!?, Procópio respondia, já falando sério. Então tá tudo bem e perfeito e a vida finalmente encontrou a vida? CAVALO VERMELHIDÃO.

A leitura da obra surpreende pelas junções de falas, galopes de vozes cruzando-se pelo hipismo da escrita de Nuno. No começo é estranha a sensação de conhecermos este ator. Que palavra seria vazada por sua voz cavalo? Qual gesto corporal viria? A voz experiente se embaralha para relatar. Cavalo que quebra a pata, só há uma alternativa. O sacrifício. “Aponte o dedo para céu, como quem chama um raio.”

Ler Adeus, cavalo é uma experiência que potencializa a arte. O barroco que Nuno evoca deixa evidente a sua exaltação ao texto teatral em sua essência, bem como o método problemático e árduo da atuação. Nuno, que é múltiplo artista, não se afoba em conectar os diversos segmentos culturais em palavras. A tríade oferecida na obra, voz-corpo-palavra, são exemplos de que a literatura contemporânea transborda de experimentações muito bem-vindas para a posteridade.

No final da leitura de Adeus, cavalo, fica a impressão de que a arte está entregue ao quarto escuro, delirando, tentando expor a labuta da representação, mas entregue à senilidade. O artista, que luta para oferecer a sua melhor arte, termina sendo apenas anotações em um bloquinho guardado no bolso do jornalista, do público, da crítica. “esses caras aí. Os pagantes. Que palavra, não acha? E que coisa tão cruel: um trecho de obra-prima sem ninguém do outro lado para ouvir.”
(gesto de estalar os dedos)

Nuno_Ramos_Adeus_cavalo_218

Adeus, cavalo
Nuno Ramos
Iluminuras
80 págs.

O AUTOR
Nuno Ramos
Nasceu em São Paulo (SP), em 1960. É escultor, pintor, desenhista, cenógrafo, ensaísta, videomaker e escritor. Publicou, entre outros, os livros Ó, Junco e Sermões.

 

Print Friendly