Dom Casmurro

julho 2020 / Dom Casmurro / Cesar Garcia Lima

Texto publicado na edição #243

Cesar Garcia Lima

Três poemas de Cesar Garcia Lima

> Por Cesar Garcia Lima

O cervo na planície gelada

Respire, amigo.
Esqueça que mora no corpo
e descanse
a alma intranquila.
Conversemos sobre o agora.
Deixe o medo perder
a força.
O espírito se eleva.
O tempo não tem portas.
Erga o olhar até o sol.
Abrace o silêncio.
Retorne.
A insônia abre caminho
Para o cervo
Em meio à planície gelada.
A ajuda não tarda.
Segundo São João

O amor da minha vida
se mudou para o deserto
e sequer tenho seu endereço.
Agora quero trocar os móveis
e outro dia
sonhei com sua cabeça
em uma bandeja de plástico.
Acordei sem os poderes de Salomé.
O silêncio de Cristo

Buscar
inutilmente
o texto de Simone Weil sobre Cristo
nesta semana eclipsada
entre o ser tentado
e o ser crucificado

Pensar
no Cristo como exemplo
ou contraexemplo
no seu silêncio
ao não defender a si próprio
diante de Pilatos
e seus argumentos de conveniência

Perceber a eloquência de quem cala.

Print Friendly