Sujeito oculto

zatopek

Aprendiz de Zatopek

Por ROGÉRIO PEREIRA

  Sonhei com Zatopek. Foi nosso primeiro encontro. Na agitação do sono, ele corria. Uma besta enfurecida, sem qualquer técnica. […]

Bicicletas ao abismo

Por ROGÉRIO PEREIRA

A infância é uma batalha perdida. Ouço com atenção o que me diz Vila-Matas — o homem que encontrei por […]

O Halley está morto

Por ROGÉRIO PEREIRA

Precisamos aprender a morrer. Quando entrei na London City, para tomar um café e esperar J., o guarda a subir […]

A rosa branca do desespero

Por ROGÉRIO PEREIRA

Os olhos no teto, a nudez dentro do quarto; róseo, azul ou violáceo, o quarto é inviolável; o quarto é […]

Duas mãos

Por ROGÉRIO PEREIRA

Já odiei aquelas mãos. As palmadas volumosas nas nádegas. Odiei com todas as forças aqueles dedos a puxar-me pelas orelhas […]

Rogerio Pereira_ilustra_127

Duroc atrás do gol

Por ROGÉRIO PEREIRA

Nunca tive animal de estimação. Se tivesse, seria um porco. Tenho uma dívida ancestral com um alfeire que me persegue […]

Dois passos

Por ROGÉRIO PEREIRA

Eu não lhe disse “venha”. Eu não lhe disse nada. Nós temíamos a distância. Enfrentávamos nossos medos, fragilidades e inseguranças. […]

Aulas de português

Por ROGÉRIO PEREIRA

Não é fácil. A língua teimosa resiste a obedecer ao comando. É sinuoso o caminho entre a minha boca e […]

A mulher e a rosa

Por ROGÉRIO PEREIRA

É triste o fim de domingo no ônibus. O veículo — um monstro de couraça vermelha — serpenteia pela rua […]

O silêncio do pai

Por ROGÉRIO PEREIRA

“Me indique um bom livro.” Quando este pedido — quase uma súplica — chega-me, adentro uma região de sombras e […]

O bordel de Gutenberg

Por ROGÉRIO PEREIRA

A vida é uma sucessão de equívocos. Um amontoado de mal-entendidos. O estrondo da segunda lâmpada seguida comprovou a necessidade […]

O sentido do silêncio

Por ROGÉRIO PEREIRA

O rangido estridente da porta escancara a silhueta delicada, quase quebradiça, afundada — sem perder certa dignidade solene — no […]