Sujeito oculto

Ilustração: Hallina Beltrão

Andorinhas sempre nos observam

Por ROGÉRIO PEREIRA

  O pó se acumula com facilidade. Passo o pano com atenção nos cantos. De onde vem tanto pó? Da […]

Ilustração: Hallina Beltrão

Leão-marinho encalhado

Por ROGÉRIO PEREIRA

Encontramos o pai estirado no chão de terra. A boca virada para baixo. A poeira aspirada com sofreguidão. O corpo […]

Ilustração: Troche

O louva-a-deus reza

Por ROGÉRIO PEREIRA

A mãe acredita em Deus. Ao pé da escada, o corpo retorcido acaricia as páginas da Bíblia. Deus está em […]

Ilustração: Theo Szczepanski

Dr. Arno e meus 40 anos

Por ROGÉRIO PEREIRA

Na segunda-feira passada, completei quarenta anos. Para comemorar, levei a mãe ao oncologista. Sempre que o rosto ganha uma cor […]

Ilustração: Theo Szczepanski

A casa é de tijolos

Por ROGÉRIO PEREIRA

A mãe sempre sorri quando me encontra. Não sei se de felicidade por constatar que ainda estou vivo. Ou de […]

Ilustração: Theo Szczepanski

Festa de aniversário

Por ROGÉRIO PEREIRA

Sentada no sofá, de costas para a porta, ela não me esperava. Cheguei de surpresa no fim da tarde. O […]

Ilustração: Theo Szczepanski

Minha baleia

Por ROGÉRIO PEREIRA

“Compramos o krill da minha baleia em latas na farmácia. Às vezes, penso que seria mais fácil mandá-la para a Antártida. Duvido que sobreviva ao frio.”

Ilustração: Theo Szczepanski

A menina no guarda-roupa

Por ROGÉRIO PEREIRA

Tenho um grande problema: comprar um guarda-roupa. Ou me livrar de um. A casa vazia segue à espera. Não desconfia de que a vida que a habitará está no fim.

Ilustração: Theo Szczepanski

A piscina do menino vivo

Por ROGÉRIO PEREIRA

Uma tarde quente, as algemas lhe sossegaram a vontade de continuar resistindo

Ilustração: Theo Szczepanski

Na beira do rio não havia Brastemp

Por ROGÉRIO PEREIRA

“Tenho uma cicatriz na perna direita. E preciso consertar a máquina de lavar roupas.”

Ilustração: Theo Szczepanski

Traça gorda, aranha morta

Por ROGÉRIO PEREIRA

Alguns papéis me causam certa angústia. Quem os deixou ali? Eu? Meus pais? Impossível descobrir quem alimenta os fantasmas.

Enrique Vila-Matas por Osvalter

Vila-Matas e o gol

Por ROGÉRIO PEREIRA

Estico-me na cama à espera da entrevista. Abandono a família na sala e me recolho ao quarto. Após posicionar os […]