Sujeito oculto

Ilustração: Tiago Silva

Viagem ao fim do dia

Por ROGÉRIO PEREIRA

Em algum lugar, na indiferença da funerária, está o corpo da filha. Está sendo preparado para a despedida.

Ilustração: Dê Almeida

Quando a noite chega

Por ROGÉRIO PEREIRA

Eu o vi cortar apressado a praça. No chafariz, os meninos de rua fingiam alguma felicidade. Era ele: o corpo […]

Ilustração: Hallina Beltrão

Cachorros sempre voltam

Por ROGÉRIO PEREIRA

O pai tentou nos matar algumas vezes. Nunca conseguiu

Ilustração: Tiago Silva

Tegucigalpa

Por ROGÉRIO PEREIRA

O mundo cabe em nosso carro. Carregamos as histórias em meio ao trânsito lento. Ruidosos, as mochilas estufadas, eles estão […]

Ilustração: Tiago Silva.

O pequeno argelino

Por ROGÉRIO PEREIRA

  Algumas batalhas são vencidas com dois picolés de chocolate. Nada sabíamos sobre a Argélia. Não falávamos árabe, berbere ou […]

Ilustração: Osvalter

Sapatos de Surfista

Por ROGÉRIO PEREIRA

Sapatos sem cadarço saem do pé. É preciso amarrá-los com firmeza. Acho que nunca foi moda tirar o cadarço do […]

Ilustração: Tiago Silva

O arco-íris de ponta-cabeça

Por ROGÉRIO PEREIRA

  Sou daltônico. O mundo me parece quase sempre um lugar desbotado, um vidro fosco, uma incômoda lente de contato. […]

ILUSTRAÇÃO: Dê Almeida

Dizem que o abacate é verde

Por ROGÉRIO PEREIRA

A velha igreja foi derrubada. Em seu lugar, uma nova casa para Deus, cuja torre acaricia as barbas de São Pedro

Rogerio_Pereira_ilustra_Fabiano_Vianna_177

O menino do dedo torto

Por ROGÉRIO PEREIRA

M. era preto e forte. Recostado à parede, dormia com frequência. O corpo ereto. A professora ralhava. Os colegas brancos […]

Duas avós

Por ROGÉRIO PEREIRA

Odiávamos aquela mulher magra. Um cadáver a nos assombrar a infância. Não a visitávamos, mas de tempos em tempos ela […]

Chove em Frankfurt

Por ROGÉRIO PEREIRA

Estive em Frankfurt. Faz algum tempo. Até hoje não sei muito bem por que da travessia; o pânico do aeroporto; […]

A mulher no sofá

Por ROGÉRIO PEREIRA

Nunca esqueci aquele olhar. Oscilava, fixo por segundos intermináveis, entre o chão frio e um ponto no horizonte inexistente. Estava […]