Palavra por palavra

Lima Barreto, autor de Recordações do Escrivão Isaías Caminha

Manifesto Brasil

Por RAIMUNDO CARRERO

A literatura como forma de resistir à barbárie

Ilustração: Carolina Vigna

Os caminhos da literatura

Por RAIMUNDO CARRERO

Como se observa, não se escreve apenas por escrever, para fazer bonito perante a sociedade, é preciso ter um projeto de obra, mesmo que seja para provocar esta mesma sociedade, mesmo que ela não concorde.

Ilustração: Thiago Lucas

Para que serve a literatura?

Por RAIMUNDO CARRERO

Muita gente assegura que o escritor brasileiro não tem muitos leitores, mas é ingenuidade. Ninguém escreve para milhares de leitores, escreve para o leitor

Ilustração: Tereza Yamashita.

Ficção não é mentira. É ficção

Por RAIMUNDO CARRERO

Ficção não é mentira. É outra verdade

Ilustração: Matheus Vigliar

Dois começos para o Velho e o mar

Por RAIMUNDO CARRERO

O leitor desavisado pode dizer: “Mas é a mesma coisa”

Ilustração: Tereza Yamashita

Literatura engajada no Brasil

Por RAIMUNDO CARRERO

Antonio Callado e as injustiças sociais do Brasil

Ilustração: Carolina Vigna

Um romance em transe

Por RAIMUNDO CARRERO

“Dom Casmurro” é um romance escrito em transe

Ilustração: Tereza Yamashita.

Sofisticação com simplicidade

Por RAIMUNDO CARRERO

Estudar a técnica não é experimentalismo, mas a afirmação de um momento genial do criador

Ilustração: Aline Daka

O olhar do personagem

Por RAIMUNDO CARRERO

As técnicas de Flaubert e Joyce na construção das cenas

Ilustração: Tereza Yamashita

Personagens. O que há em um nome?

Por RAIMUNDO CARRERO

O conflito permanente entre a voz do narrador e a do autor

Ilustração: Carolina Vigna

Dois narradores

Por RAIMUNDO CARRERO

Com o narrador oculto, a obra de ficção torna-se um jogo de armar e abre maiores perspectivas para a criação

Raimundo_Carrero_ilustra_2_FP_Rodrigues_212

A montagem do romance

Por RAIMUNDO CARRERO

A montagem de uma história exige muitos cálculos e habilidades narrativas