Entrevistas

Edgard_Telles_Ribeiro_2_219

Ilusões perdidas

Por MARCIO RENATO DOS SANTOS

Desencanto, tristeza e mistério dão o tom ao romance “Uma mulher transparente”, de Edgard Telles Ribeiro

Patricia_Melo_foto2_Adriano Heitmann_218

A angústia produtiva

Por JOÃO LUCAS DUSI

Em “Gog magog”, décimo romance de Patrícia Melo, um professor alienado se envolve num ciclo de ódio incontornável

Filipa_Leal_foto_Maria Leal Craveiro

O lírico cotidiano

Por Andressa Barichello

Nos poemas de “Vem à quinta-feira”, a portuguesa Filipa Leal capta o que há de pulsante no banal

Ana_Teresa_Pereira_217

Planos possíveis

Por Andressa Barichello

Entrevista com a portuguesa Ana Teresa Pereira, ganhadora do Prêmio Oceanos

Chacal

A resistência do bicho tinhoso

Por Vitor Cei

Entrevista com Chacal, um dos expoentes da geração mimeógrafo

João_Silverio_Trevisan_1_216

O expurgo

Por RODRIGO CASARIN

Entrevista com João Silvério Trevisan, autor do autobiográfico “Pai, pai”, no qual encara de frente todos os fantasmas que o rondam desde sempre

Oscar_Nakasato_2_215

Conflitos incontornáveis

Por MARCIO RENATO DOS SANTOS

Em “Dois”, Oscar Nakasato problematiza impasses familiares, a passagem do tempo e recria a memória brasileira recente

Marina_Colasanti

“Não existem férias na escrita”

Por Jonatan Silva

Marina Colasanti rejeita a ideia de férias para quem trabalha diariamente com a criatividade e a literatura

Santiago_Nazarian

“Eu nunca paro de trabalhar”

Por Jonatan Silva

Ativo nas redes socais, Santiago Nazarian aproveita o período e “férias” para trabalhar em traduções e projetos pessoais

Milton Hatoum, autor de A noite da espera.

Fim da espera

Por LUIZ REBINSKI

Milton Hatoum fala sobre o processo criativo de “A noite da espera”, que marca seu retorno ao romance após nove anos

Cristina_Peri_Rossi_foto_Lil Castagnet_214

Limites estreitos

Por Andressa Barichello

Entrevista com a uruguaia Cristina Peri Rossi

Tatiana_Salem_Levy

“Férias é mudar o lugar onde leio”

Por Jonatan Silva

Para Tatiana Salem Levy, é impossível se distanciar dos livros, assim como a literatura nunca se afasta da vida