Ensaios e Resenhas

Georg Büchner, autor de Woyzeck

Drama e revolta

Por MARIA APARECIDA BARBOSA

Pesquisador mergulha com rigor e profundidade em “Woyzeck”, drama alemão de Georg Büchner

Fernando Pessoa por Almada Negreiros

Revolução sem fim

Por HENRIQUE MARQUES SAMYN

“Orpheu: 1915-2015”, organizado por Carlos Felipe Moisés, é fundamental para se entender o modernismo português e sua importância

Fabio Weintraub, autor de Treme ainda

Desolação e analogia

Por RAFAEL ZACCA

Nos poemas de “Treme ainda”, de Fabio Weintraub, a possibilidade de redenção está sempre à espreita

Marcel Proust por Robson Vilalba

O olhar do gênio

Por CLAYTON DE SOUZA

Em “Salões de Paris”, Marcel Proust transforma mundanidade em material artístico

Sheyla Smanioto, autora de Desesterro

Quatro geografias

Por HARON GAMAL

“Desesterro”, de Sheyla Smanioto, busca inovações na linguagem em trama entre o sertão e a violência urbana

Eu_sou_favela_foto_1_191

A favela de cada um

Por CLAUDIA NINA

Nove autores brasileiros partem da ficção para expor a violência que nos cerca por todos os lados

Isabela Noronha, autora de Resta um

Conjunto vazio

Por LÍVIA INÁCIO

Em “Resta um”, de Isabela Noronha, mãe procura filha em uma equação sem resposta

20ford

A aridez da travessia

Por GISELE EBERSPÄCHER

“Canadá”, de Richard Ford, é um romance de formação em cujo centro estão um menino e os desafios da vida

Maura_Lopes_Cançado_191

A escritora interna

Por GILBERTO ARAÚJO

“Hospício é Deus” e “O sofredor do ver” apresentam a sobriedade estilística e o discurso eletrizado de Maura Lopes Cançado

Juan Pablo Villalobos, autor de Te vendo um cachorro

A desesperança dos sem futuro

Por PAULA CAJATY

“Te vendo um cachorro”, de Juan Pablo Villalobos, apresenta um idoso narrando as tragédias individuais e coletivas do México

Breaking_Bad_foto_1_191

A corrosão do caráter

Por MARTIM VASQUES DA CUNHA

A tragédia grega guia os passos do excêntrico traficante Walter White em “Breaking bad”

Marco_Lucchesi_2_190

A musa nebulosa

Por PERON RIOS

Em “Clio”, o leitor vislumbra uma poesia de paisagem, em que as descrições emergem como estratégia fulgurante de linguagem