Ensaios e Resenhas

Ilustração: Matheus Vigliar

Adeus, Ulisses

Por HOMERO FONSECA

A decisão de um leitor ao compreender que Ulisses não é livro para ser lido, mas dissecado

Orígenes Lessa, autor de O feijão e o sonho.

Narrativa menor

Por RODRIGO GURGEL

Apesar dos bons diálogos, a leitura de “O feijão e o sonho”, de Orígenes Lessa, acaba com um forte sabor de incompletude

Damián Tabarovsky, autor de Literatura de esquerda.

Ninguém nada nunca

Por LUIZ HORÁCIO

“Literatura de esquerda”, de Damián Tabarovsky, é um ensaio datado e um tanto obscuro e amargo

Omar Salomão, autor de Pequenos reparos.

Arte da interrupção

Por Cristiano de Sales

Os poemas de “Pequenos reparos”, de Omar Salomão, se oferecem como vias de afetos em meio à agitação cotidiana

Nadiêjda_Khvoshchínskaia_Moça_Internato_216

Uma luta antiga

Por YURI AL'HANATI

“A moça do internato” é uma poderosa narrativa sobre a ausência de possibilidades para uma mulher russa no final do século 19

Edith Wharton, autor de Ethan Frome.

As ruínas de um homem

Por CLAYTON DE SOUZA

“Ethan Frome”, de Edith Wharton, é delicada elegia de uma vida não vivida

Leonardo Brasiliense, autor de Roupas sujas.

As perdas no varal

Por VIVIAN SCHLESINGER

A prosa de “Roupas sujas”, de Leonardo Brasiliense, é limpa, cristalina e objetiva

Plinio_Marcos_216

Clareiras de fogo

Por Alcir Pécora

Conjunto de 29 peças reforça a importância da obra de Plínio Marcos para a cultura brasileira

Osvaldo_Orico_Seiva_215

Insignificante guia turístico

Por RODRIGO GURGEL

No romance “Seiva”, Osvaldo Orico apenas demonstra eloquência e relata fatos curiosos, folclóricos, da Amazônia

Margaret_Atwood_4_215

De volta ao centro

Por LÍVIA INÁCIO

Fenômeno editorial nos anos 1980, Margaret Atwood retorna como símbolo de importantes lutas

Raul_Brandao_2_215

O jogo da vida e da morte

Por GABRIELA SILVA

“Húmus”, obra-prima do português Raul Brandão, transita entre prosa poética, ensaio e romance

Jorge da Cunha Lima , autor de Troia Canudos.

As idades da poesia

Por WLADIMIR SALDANHA

Em “Troia Canudos”, Jorge da Cunha Lima descuida da coesão nas releituras épicas, mas afirma sua força de lírico elegíaco