Cartas

julho 2017 / Julho_17

Cartas

Julho_17

Arte: Fábio Abreu

Arte: Fábio Abreu

Conto e poemas
Há um bom tempo que eu não lia uma narrativa curta tão boa e eletrizante quanto Dias secos, de Ewerton Martins Ribeiro; e poemas tão desconcertantemente profundos e inusuais quanto os de Leonel Alvarado (Rascunho #206). Parabéns aos autores e ao Rascunho por publicá-los!
Thássio Ferreira • Rio de Janeiro – RJ

Preconceito
Em Tese banal, texto sobre O método Albertine, de Anne Carson [Rascunho #206], Adalberto de Queiroz utiliza, por duas vezes, o arcaico termo “homossexualismo”. Não sou nada fã do “politicamente correto”, Adalberto, mas é como se você ainda chamasse “leproso” em lugar de “hanseniano”, ou “aidético” em lugar de “soropositivo”. Alguns termos perecem exatamente por não mais refletirem a sua época, e por encerrarem perniciosa carga de estigma ou preconceito (o sufixo “ismo”, no caso em tela). Conecte-se com o seu tempo, escritor.
Jorge Santiago Jr. • via e-mail

Carta a Noll
Que texto belíssimo escrito por José Castello ao eterno João Gilberto Noll [Rascunho #205]. Fiquei emocionadíssimo pela delicadeza e emoção descritos por Castello. Tenho certeza de que de onde Noll estiver, escutou essa carta-oração, mas em silêncio, porque o seu silêncio era apenas uma forma de dizer: estou aqui!
Dayvson Fabiano • Recife – PE

Muita coisa
Atrasadíssima nas leituras, quero elogiar o texto do José Castello, que, como sempre, é atualizadíssimo! [Rascunho #204] Também gostaria de destacar o texto sobre Paraíso perdido, de John Milton. Vou ler o livro. Gostaria de pedir a referência da conferência do Cezar Tridapalli, para lê-la na íntegra. Gostei muito do texto e vou utilizá-lo numa oficina. Por fim, gostaria de elogiar a arte da capa, belíssima [de Eloar Guazzelli]. Para completar, me atrevo a sugerir uma pauta: está sendo comemorado em Belo Horizonte o centenário de Murilo Rubião. Acho que ele merece a atenção do Rascunho.
Cristina Souza • Belo Horizonte – MG

Print Friendly