Breves

setembro 2014 / Breves / BREVES_internacional_173

Texto publicado na edição #173

BREVES_internacional_173

O 6º continente Daniel Pennac Trad.: Carlos Nougué Rocco 160 págs. Peça sustentável “Uma ópera bufa da imundície humana” é […]

> Por RASCUNHO

BREVES_6_continente_173

O 6º continente
Daniel Pennac
Trad.: Carlos Nougué
Rocco
160 págs.

Peça sustentável
“Uma ópera bufa da imundície humana” é como o próprio autor define sua peça. O monólogo que precede O 6º continente, Antigo doente dos hospitais de Paris, foca em uma noite de plantão do médico iniciante Gérard Galvan, e o encontro com um paciente que o fez, enfim, compreender a medicina. Passado o monólogo, um homem bem-vestido está caminhando pela rua, despojado, falando ao telefone, quando uma multidão de transeuntes o atropela e, pouco a pouco, começam tirar seus bens preciosos: um relógio caro, o sapato luxuoso, o terno impecável, óculos escuros, cartão de crédito, etc. Tudo acontece em silêncio absoluto e sem nenhuma agressividade. Nu e em silêncio, ele começa a lembrar do passado e da história de sua família, que reflete os paradoxos e marcas do século 20. O protagonista é Théo, um menino inocente, que acredita nas boas intenções do pai e do padrinho, que assumem o comando duma empresa de embalagens. É com horror, então, que o menino descobre a poluição que os negócios de sua família estão causando e, determinado, tenta mudar essa história.

BREVES_Catalogo_luzes_173

Catálogo de luzes
José Eduardo Agualusa
Gryphus
230 págs.

Breve diversidade
Coletânea de contos selecionados pelo escritor angolano José Eduardo Agualusa. São 62 contos curtos, divididos entre os capítulos D. Nicolau Água-Rosada e outras histórias verdadeiras e inverossímeis, Fronteiras perdidas, A substância do amor e outras crônicas, O homem que parecia um domingo, Catálogo de sombras, Passageiros em trânsito, A educação sentimental dos pássaros e um breve capítulo com inéditos, trazendo os contos Esquecimento, A primeira noite e A última. Dentre muitas outras situações, um homem cai em um buraco e, depois de dias na escuridão, volta à superfície estranhamente mudado; outro, paga o preço por desafiar o poder da magia; um taxista vende crenças sob medida para cada passageiro; o homônimo de um famoso tenor vive escondido no interior do Brasil, fugindo de seu passado misterioso; um inexperiente terrorista é surpreendido pela vítima em um elevador. A diversidade marca esta antologia, cujos contos saltam do realismo fantástico para o político, passando pela religião; de fatos corriqueiros para conceitos filosóficos ou tiradas inusitadas com alta voltagem de humor.

BREVES_Contos_mercio_173

Contos Mércio
Kurt Schwitters
Trad.: Maria Aparecida Barbosa
Ufsc
180 págs.

Breve nonsense
Trinta e quatro textos do poeta-inventor alemão Kurt Schwitters, nos quais percorremos várias camadas de sua sintaxe. Para começar, o poema orgânico À Ana Flor, composto por um apanhado de frases populares e uma alta voltagem de nonsense — marca do autor, assim como a concisão, o humor e o escárnio. Sobre as Banalidades provenientes do chinês, aprendemos que a mosca tem perna curta, a pressa é a graça da perfeição e que cada começo tem seu fim. Em João feliz, a ascensão desse personagem inicialmente desempregado e sem dinheiro. N’A fábula do homem bom, o destino cruel de um homem muito bondoso que se deixou picar por um mosquito. Em A vida bem simples, uma confissão: a esperança é de que um dia os leitores leiam nas entrelinhas. A Breve biografia conta sobre uma vida medíocre, revisitando a escola, onde o garoto era odiado e o professor era um sádico agressor. Dentre outros, também conhecemos o Rei sem súditos, O homem com o nariz de vidro e assistimos a uma Peça da aflição: um esboço dramático, onde um diálogo pretensiosamente profundo recebe uma resposta não muito agradável do público.

Print Friendly