RODRIGO GURGEL

Bizantinismo

Por RODRIGO GURGEL

“A hora veloz”, de Adelino Magalhães, concentra erros e acertos de uma linguagem fracionária

Tralha linguística

Por RODRIGO GURGEL

“O estrangeiro” nasce de um desabafo de Plínio Salgado e é um amontoado de palavras vazias

Um caso de sucesso

Por RODRIGO GURGEL

Best-seller em sua época, “A marquesa de Santos” apresenta uma trama pequena e estrábica

Tediosa floresta

Por RODRIGO GURGEL

“A Amazônia misteriosa”, de Gastão Cruls, é um romance inverossímil e repleto de figuras despersonalizadas

Ódio ao português

Por RODRIGO GURGEL

Antônio Torres atacou Portugal sempre com um estilo despojado de rodeios e pleno de humor

Um percevejo

Por RODRIGO GURGEL

A grandiloqüência, o rebuscamento e o excesso na obra de Alberto Rangel desconhecem limites

museus-oliveiraviana02

Desejo de ficção

Por RODRIGO GURGEL

Publicado em 1925, “O ocaso do Império” é extremamente atual e se ajusta ao Brasil contemporâneo

Equívocos e retórica

Por RODRIGO GURGEL

  O início da década de 1920 necessita de um estudo aprofundado e livre das imposições teóricas marxistas, que se […]

Ilustração: Bruno Schier

O filho tardio de Alencar

Por RODRIGO GURGEL

No ensaio que dedica a Alcides Maia em Prosa dos pagos — 1941-1959, Augusto Meyer afirma, logo no primeiro parágrafo, […]

Amadeu Amaral por Fábio Abreu

Sobriedade e sutileza

Por RODRIGO GURGEL

Amadeu Amaral permanece indispensável à cultura brasileira graças a O dialeto caipira — estudo pioneiro sobre as características da linguagem […]

Monteiro Lobato por Ramon Muniz

Sempre contemporâneo

Por RODRIGO GURGEL

“Negrinha” é exemplo da literatura clássica, bem-humorada, fluida e precisa de Monteiro Lobato

Lima Barreto por Carolina Vigna-Marú

Ideologia e azedume

Por RODRIGO GURGEL

  A definição de “literatura militante” elaborada por Lima Barreto, à sombra de Jean-Marie Guyau — pensador que foi lido […]