RODRIGO GURGEL

Jorge Amado, autor de Capitães da areia

Jorge “Repetidor” Amado

Por RODRIGO GURGEL

No romance “Capitães da areia”, a reiteração se torna um esquema de maçante previsibilidade

Menotti del picchia

Sarcasmo e mediocracia

Por RODRIGO GURGEL

“Cummunká”, romance de Menotti Del Picchia, ri com deliciosa ironia das contradições modernistas da Semana de 22

Orígenes Lessa, autor de O feijão e o sonho.

Narrativa menor

Por RODRIGO GURGEL

Apesar dos bons diálogos, a leitura de “O feijão e o sonho”, de Orígenes Lessa, acaba com um forte sabor de incompletude

Osvaldo_Orico_Seiva_215

Insignificante guia turístico

Por RODRIGO GURGEL

No romance “Seiva”, Osvaldo Orico apenas demonstra eloquência e relata fatos curiosos, folclóricos, da Amazônia

otavio_de_faria_

A sombra de Deus

Por RODRIGO GURGEL

Otávio de Faria, autor da série “Tragédia burguesa”, precisa urgentemente ser reapresentado ao leitor brasileiro

Abguar Bastos, autor de Safra

Maquinismo ideológico

Por RODRIGO GURGEL

Apesar do humor e ironia, “Safra”, de Abguar Bastos, é um conjunto esquemático sem ligação entre os melhores trechos

Italo Svevo, autor de Uma gozação bem-sucedida

Lições e gozações

Por RODRIGO GURGEL

Considerado “curto romance de uma brincadeira”, “Uma gozação bem-sucedida” é deliciosa sátira do mundo literário

Cyro Martins, AUTOR DE Sombras da correnteza.

Só bons retalhos

Por RODRIGO GURGEL

Apesar do domínio estilístico, “Sem rumo”, de Cyro Martins, é narrativa frágil devido à falta de coesão, à inexistência de um enredo que congregue os dramas pessoais

Sérgio Buarque de Holanda, autor de Raízes do Brasil

Quimera autoritária

Por RODRIGO GURGEL

Sérgio Buarque de Holanda, no clássico “Raízes do Brasil”, parte de falsas premissas e observa mal o mundo à sua volta

raimundo_magalhaes_junior_0

Teatro de revista

Por RODRIGO GURGEL

Raimundo Magalhães Júnior escreveu muito, mas sua obra ficcional é inverossímil, caricata e medíocre

Dyonelio Machado, autor de Os ratos

A perversão do homem

Por RODRIGO GURGEL

“Os ratos”, de Dyonélio Machado, é perfeito no estilo conciso, na elaboração psicológica do protagonista e na organização da estrutura narrativa

Rodrigo Melo Franco de Andrade, autor de 
Velórios

Excesso de benevolência

Por RODRIGO GURGEL

“Velórios”, de Rodrigo Melo Franco de Andrade, contou com apoio entusiasmado de grandes nomes da literatura brasileira