RODRIGO GURGEL

Graciliano Ramos, autor de São Bernardo

A descoberta do horror

Por RODRIGO GURGEL

“São Bernardo” condensa todo o vigor narrativo de Graciliano Ramos

Mário de Andrade escritor

Limites do experimentalismo

Por RODRIGO GURGEL

No caso de “Os contos de Belazarte”, o domínio de Mário de Andrade sobre a linguagem produziu literatura desimportante

Gilberto Freyre, autor de Casa-Grande & Senzala

O brasileiro universal

Por RODRIGO GURGEL

Em “Casa-grande & senzala”, Gilberto Freyre é erudito e profundo num estilo de naturalidade invejável, destituído do hermetismo academicista

João Alphonsus, autor de Galinha cega

Estreia razoável

Por RODRIGO GURGEL

Contos de João Alphonsus têm humor e leveza, mas não alcançam ser textos imprescindíveis da literatura brasileira

Oswald de Andrade por Dê Almeida

Galimatias, nada mais

Por RODRIGO GURGEL

Serafim Ponte Grande é a prova de que Oswald de Andrade fez da arrogância e da autolatria os motores da sua literatura

Ilustração: Tereza Yamashita

Sem proselitismo

Por RODRIGO GURGEL

A resignação diante da vida, sem jamais abdicar da luta pela sobrevivência, é o tema central de Os Corumbas

Ilustração: FP Rodrigues

Narcisismo

Por RODRIGO GURGEL

Contos de Humberto de Campos trazem uma prosa extravagante e repleta de exageros e lugares-comuns

Ilustração: Hallina Beltrão

Romancinho bem-intencionado

Por RODRIGO GURGEL

Ribeiro Couto e seu Cabocla estão sentados ao lado do capeta no inferno das boas intenções

Rachel de Queiroz por Robson Vilalba

Em busca da literatura

Por RODRIGO GURGEL

  Lançado em 1930, O Quinze, de Rachel de Queiroz, integra o chamado Ciclo das Secas, do qual analisei neste […]

ILUSTRAÇÃO: FP Rodrigues

Mais um naturalista

Por RODRIGO GURGEL

A “fatalidade geográfica” torna Puçanga, de Peregrino Júnior, num enfadonho amontoado de palavras

Fábulas desiguais

Por RODRIGO GURGEL

Narrativas de Darcy Azambuja tentam recriar o gaúcho ideal, figura mítica do pam

Na contramão do modernismo

Por RODRIGO GURGEL

Em “Retrato do Brasil”, Paulo Prado anseia examinar as questões da realidade filtrando-as numa visão pessoal