RAIMUNDO CARRERO

Kafka

A metamorfose: a história de uma metáfora

Por RAIMUNDO CARRERO

Raimundo Carrero discute a construção narrativa de A metamorfose, de Kakfa

Graciliano Ramos por Osvalter

A técnica do romance em Graciliano

Por RAIMUNDO CARRERO

Graciliano Ramos e as suas muitas experiências com a linguagem

Toda (boa) sedução exige apuro técnico

Por RAIMUNDO CARRERO

“Nos tempos confusos em que vivemos, as questões técnicas, pelo menos no Brasil, tendem a desaparecer.” A advertência, em tom […]

Stephen King

Quem cria segredos inventa planos

Por RAIMUNDO CARRERO

Escrever um romance não é só juntar palavras para contar uma boa história. É mais, muito mais, muito mais. Deve-se […]

Apoiado no abismo sobre o fio de arame

Por RAIMUNDO CARRERO

Um livro em tudo surpreendente. É assim que podemos tentar definir Colisões bestiais, da brasileira Kátia Bandeira de Mello Gerlach. […]

legiaocapa

Um dia de mormaço pela Conde da Boa Vista

Por RAIMUNDO CARRERO

Para alcançar o equilíbrio entre a realização artística e o conteúdo social para o qual é solicitado, é necessário que […]

Wander_Shirukaya_ascensão_queda_180

A humanidade é uma grande banda de rock

Por RAIMUNDO CARRERO

Não tenham dúvida: a humanidade é sempre uma banda de rock. Numa bela sacada criativa, de quem sabe o que […]

Charles_Chaplin_Luzes_ribalta_179

A palavra como imagem de Chaplin

Por RAIMUNDO CARRERO

Charles Chaplin está na moda. Foi com ele que aprendemos a destruir a dor, a tortura e o desencanto com […]

A simplicidade da escrita de Vilela

Por RAIMUNDO CARRERO

A simplicidade é um dos maiores desafios do ficcionista. Alguns autores fingem uma sofisticação vaidosa que não é outra coisa […]

Drama da alma em conflito

Por RAIMUNDO CARRERO

O ouro de Quipapá, romance do francês Hubert Tézenas, apresenta pelo menos três grandes qualidades narrativas, não muito comuns na […]

946f6df3affae92d640acd944af01567

Palavra evoca o drama e revela o texto

Por RAIMUNDO CARRERO

Raimundo Carrero escreve sobre o romance Enquanto Deus não está olhando, de Débora Ferraz, vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2014

Tão inquietante e silencioso quanto Bartleby

Por RAIMUNDO CARRERO

O livro de que me ocupo nesta coluna permaneceu tão silencioso e intrigante quanto o personagem que examina: Bartleby — […]