O autor e suas dobras

Por Guilherme Mazzafera

“O pai da menina morta”, de Tiago Ferro, transita no espaço liminar entre sonho e realidade