GISELE EBERSPÄCHER

Futhi Ntshingila, autora de Sem gentileza

Sem medo de final feliz

Por GISELE EBERSPÄCHER

“Sem gentileza”, da sul-africana Futhi Ntshingila, apresenta uma história sobre sobrevivência e superação

charlotte_perkins_gilman_c-_1900

Vozes clandestinas

Por GISELE EBERSPÄCHER

Charlotte Perkins Gilman e Teresa de la Parra dão voz à opressão feminina por meio de diários e cartas

Ernst Toller, autor de Uma juventude na Alemanha

“Quero esquecer a guerra”

Por GISELE EBERSPÄCHER

“Uma juventude na Alemanha” acompanha a vida do dramaturgo Ernst Toller e suas reflexões sobre a sociedade

biblioteca

O lado obscuro

Por GISELE EBERSPÄCHER

Muriel Pic discorre sobre as várias camadas de interpretação possíveis em apenas uma imagem

20ford

A aridez da travessia

Por GISELE EBERSPÄCHER

“Canadá”, de Richard Ford, é um romance de formação em cujo centro estão um menino e os desafios da vida

Jean-Paul Didierlaurent, autor de O leitor do trem das 6h27

Ao encontro do inesperado

Por GISELE EBERSPÄCHER

“O leitor do trem das 6h27”, de Jean-Paul Didierlaurent, é uma breve e leve narrativa sobre o amor pelos livros

Banana Yoshimoto, autora de Tsugumi

Estação de mudanças

Por GISELE EBERSPÄCHER

“Tsugumi”, da japonesa Banana Yoshimoto, é um romance suave e sutil, sem grandes ou drásticos acontecimentos

Primeira_guerra

Vidas em guerra

Por GISELE EBERSPÄCHER

Andreas Latzko mergulha no front da Primeira Guerra para mostrar a destruição da vida dos soldados

Herta Müller, autora de A raposa já era o caçador

O poder da escrita

Por GISELE EBERSPÄCHER

Com A raposa já era o caçador, Herta Müller continua a escancarar os pavores causados pelo regime comunista romeno

Carlos María Domínguez, autor de A casa de papel

Relação íntima

Por GISELE EBERSPÄCHER

A casa de papel apresenta personagens bibliófilos para tratar do amor pelos livros

Jennifer Clement

Atrocidades sem fim

Por GISELE EBERSPÄCHER

Jennifer Clement registra em romance entrevistas feitas durante uma década nas áreas mais violentas do México

China Miéville. Foto: Divulgação.

Cidade partida

Por GISELE EBERSPÄCHER

China Miéville cria romance complexo e em camadas, que distorce gênero, linguagem e espaço