Dom Casmurro

janeiro 2012 / Dom Casmurro / Arturo Herrera

Texto publicado na edição #113

Arturo Herrera

Tradução: Ronaldo Cagiano Amanhecer As árvores vão tocar o alvorecer; a folharada úmida já foi amada. Aqui, embaixo, os murmúrios […]

> Por ARTURO HERRERA

Tradução: Ronaldo Cagiano


Amanhecer

As árvores vão tocar o alvorecer;
a folharada úmida já foi amada.
Aqui, embaixo, os murmúrios e ruídos;
a alma se estremece nas veredas;
ninguém reconhece os pássaros;
as flores vivem como a brisa quer
o espaço silente e a intimidade morrem.
A praça nos salva de algumas mortes.


Fim das ruas

Morre a numeração cansada;
este é um limite. Daqui,
o horizonte prolonga a solidão de areia.
Uma chama pestaneja pelas noites,
ilumina um pedaço de pão compartilhado.
Todo possível ruído
foge em silêncio;
só os cachorros adoram a lua.
O frio trêmulo lastima a pobreza
e já é desprezada a bela chuva
pelo seu costume de invadir as casas.
Morrer-se aqui é apagar os olhos
para não ver os sofrimentos.
Todos usam palavras iguais para o morto:
tem um rosto tão sereno.
Choro de uma criança nova!
Há outro herdeiro dos sofrimentos.


Próximo à viagem

Aqui em meu quarto
restarão todas as coisas que
me acompanham.
Ainda que em minha escrivaninha
se abisme o último grão da vertical de areia,
continuará incessante em meu corpo.
No regresso, seu eu regressar, os livros terão algo de poeira.
A tarde se acostumará
à penumbra do silêncio.
Somente deixo minha ausência.

Print Friendly