Rodapé

dezembro 2016 / Rodapé / Anotações sobre romances (40)

Texto publicado na edição #200

Anotações sobre romances (40)

A quinta e a sexta marcas do Novo Romance francês

> Por RINALDO DE FERNANDES

A quinta e sexta marcas do Novo Romance (Nouveau Roman) francês, segundo Leyla Perrone-Moisés, no seu livro O novo romance francês: 5) O homem no Novo Romance — o homem não aparece cindido “em corpo e alma”, mas “como um todo inseparável e intimamente ligado às circunstancias que o cercam”. Os romancistas dessa escola focalizam uma “zona de indistinção entre os estímulos corporais e as reações psicológicas”. E mais: “todo o romance chega a ser concebido como uma reação a um estímulo físico qualquer”. Muitos teriam até mesmo criticado a “desumanidade” dos romances dessa escola, com “a proeminência dos objetos” e ainda “o cenário frio e geométrico” deles; 6) Romance do romance — seria o caráter metalinguístico dessa escola: ou seja, o fato de se tratar de uma obra “que é ao mesmo tempo romance e meditação acerca do romance, de suas possibilidades como forma literária”. A maioria dos novos romancistas foi também teórico do Novo Romance, teve uma obra crítica “paralela à obra criadora”.

Print Friendly