Rabisco

setembro 2012 / Rabisco / À luz da fantasia

Texto publicado na edição #149

À luz da fantasia

Um planeta formado por três desertos, com pequenas áreas verdes — os oásis do lugar. Um narrador que diz “a […]

> Por CIDA SEPULVEDA

Um planeta formado por três desertos, com pequenas áreas verdes — os oásis do lugar. Um narrador que diz “a magia um dia existiu, mas agora só resta um reino morto: o Reino das Fadas”. A história se passa aí, onde reinados foram destruídos pelos demônios.

Mikail é um jovem nobre que tem a missão de liderar forças do grande reino na luta contra as sombras malignas; ir atrás do chanceler, que partiu sozinho ao coração do reino, à procura de uma resposta sobre como matar sombras destruidoras; e resgatar Lumi, um garoto com poderes especiais.

Thera é sobrevivente de uma tribo de guerreiros. Em busca de Nianche, seu pequeno irmão que desapareceu quando os demônios atacaram a tribo “alanius”, ela se junta a Mikail, sem revelar sua verdadeira identidade.

Além do deserto é um romance juvenil que aborda temas essenciais da história humana. A riqueza do enredo e das imagens resulta num texto denso, através do qual o leitor viaja encantado.

Uma seqüência de movimentos progressivos e regressivos delineia a história de Mikail e Thera, dois jovens que procuram, cada um a seu modo e conforme sua tradição cultural, resolver os dilemas de suas vidas inscritas no sonho e no terror, sendo estes elementos indispensáveis para se atingir o coração e a mente humana.

O romance, rico em intertextualidade, dialoga com a grande variedade de textos clássicos e contemporâneos. Fadas boas e más, imperfeitas, pertencem a uma trama sinuosa em que distintos e/ou semelhantes são colocados à prova, em relações de ódio ou amor, de confiança ou traição, num desafiante emaranhado de fatos, idéias, moral, filosofia e questionamentos mais.

A criança tem papel central no romance. É vítima das crueldades naturais e humanas, porém, tem reservado a ela a imagem idílica de pureza e salvação. A menina Drielle perdeu a visão. Para resgatá-la, é preciso que se desfaçam as teias malignas e que a luta contra o terror seja vencida.

A guerreira Thera sobressai devido ao seu intenso papel de concentrar os valores éticos e morais, a afetividade, a fragilidade e a coragem — é uma personagem que captura o leitor, com sua força interior e física.

As crianças-luz são muito carismáticas e livres. Na trama, se desprendem e revelam uma força silenciosa, misteriosa que supera o cotidiano mais tenebroso — podem ser feridas, mas não destruídas.

Ziander era um fada muito poderoso que morava no coração do Reino das Fadas, onde Lumi nasceu. Lumi, mais precisamente, nasceu de uma pequena flor branca. As Erínias (ou demônios) vigiavam o lugar, mas não conseguiam ver o menino… Aventuras, magia, espelhos, psique, seres iluminados, guerreiros, demônios, fogo, água, areia, ar, asas, fadas, velhos, crianças, moços, animais, ricos e pobres estão entre os inúmeros elementos que compõem esta trama fantástica de Além do deserto.

Distante da pseudoliteratura juvenil que, de modo geral, trata o leitor como um imbecil e didatiza temas supostamente infanto-juvenis, Érica Bombardi vai em sentido contrário: temas universais e contemporâneos, como natureza, destruição, culturas, classes sociais, relações humanas, são postos à luz da fantasia e tratados com ardor e delicadeza.

Print Friendly

Érica Bombardi

Erica Bombardi. Foto: Divulgação

Nasceu em Jaú, interior de São Paulo. Formada em editoração pela USP, trabalhou em editoras por mais de dez anos. Além do deserto é seu primeiro livro.

Erica_Bombardi_Alem_Deserto_149

Érica Bombardi
Edição da autora
272 págs.